Com os problemas do dia a dia, o corre-corre para dar conta do trabalho, dos filhos e do lar, muitas vezes os casais acabam se deixando um pouco de lado. É normal que muitos busquem maneiras de fazer com que o relacionamento saia da “rotina”; em certos casos, isso é bom.

No entanto, é preciso que os casais católicos tenham certo “filtro”, tenham discernimento ao escolher uma maneira de alcançar o resultado que desejam.

Alguns preferem jantar fora, outros deixam os filhos um fim de semana com os avós e vão viajar ou ainda saem a sós, para um simples passeio. Enfim, existem muitas maneiras de fazer “algo diferente” com seu cônjuge.

Veja também:
5 fatos desconhecidos sobre a água benta
Cirurgia plástica é pecado?

Cada casal deve buscar em sua realidade o que é melhor para os dois. Com isso, muitos se perguntam se casais católicos podem ir a motéis. Vou lhe dar minha opinião.

Sinceramente, não aconselharia um casal católico a ir a um motel. Podemos dizer que o motel, no Brasil, não é como nos EUA, por exemplo, um simples hotel de beira de estrada, onde as famílias pernoitam para continuar uma viagem.

De modo diferente, embora muitos trabalhadores ainda utilizem o motel para pernoitar, sabemos também que a maioria de seus frequentadores usam desse espaço para a prática da fornicação ou para viver o adultério.

Sabemos que ambas as práticas configuram pecados graves: “Não cometerás adultério” (Ex 20,14); ou como mostra o Catecismo da Igreja Católica (CIC):

“O adultério. Essa palavra designa a infidelidade conjugal. Quando dois parceiros, dos quais ao menos um é casado, estabelecem entre si uma relação sexual, mesmo efêmera, cometem adultério.

Cristo condena o adultério mesmo de simples desejo. O sexto mandamento e o Novo Testamento proscrevem absolutamente o adultério. Os profetas denunciam sua gravidade. Veem no adultério a figura do pecado de idolatria” (CIC n.2380).

“O adultério é uma injustiça. Quem o comete falta com seus compromissos, fere o sinal da aliança, que é vínculo matrimonial; lesa o direito do outro cônjuge e prejudica a instituição do casamento, violando o contrato que o fundamenta. Compromete o bem da geração humana e dos filhos, que têm necessidade da união estável dos pais” (n.2381).

O Catecismo da Igreja, quando fala dos graves pecados contra a castidade, diz: “Entre os pecados gravemente contrários à castidade é preciso citar a masturbação, a fornicação, a pornografia e as práticas homossexuais” (n. 2396).

Ora, se o motel é um lugar onde esses pecados podem ser cometidos abundantemente, como, então, um católico deveria frequentá-lo? Não vejo o menor sentindo nem necessidade.

Você levaria sua esposa, por exemplo, para jantar em um restaurante onde você sabe que é sujo e contaminado por bactérias? Claro que não! Você a respeita e cuida de sua saúde física.

Não há como negar que a maioria dos motéis são usados também para a prostituição, um pecado grave: “A prostituição é um atentado contra a dignidade da pessoa que se prostitui, reduzida ao prazer venéreo que dela se tira.

Quem paga, peca gravemente contra si mesmo: quebra a castidade a que o obriga o seu Batismo e mancha o seu corpo, que é templo do Espírito Santo (102). A prostituição constitui um flagelo social” (n.2355).

Autor: Felipe Aquino
Fonte: Canção Nova

Faça um comentário