A sociedade contemporânea está cada vez mais exigente quanto aos serviços prestados pelas empresas e pelo poder público. O serviço religioso não fica fora desta demanda, pois as pessoas têm muito mais informações e muito mais conhecimento em geral. Enquanto as informações navegam a trilhões de bytes por segundo, o gestor deve estar sempre melhorando as suas habilidades para melhor servir. Conhecimento e atitudes, assim, são elementos fundamentais para uma boa gestão em uma paróquia ou entidade religiosa.

Faça sua inscrição para o CONAGE – Congresso Nacional de Gestão Eclesial

Se na Idade Média o mundo do trabalho girava em torno da relação ‘artesão e aprendiz’, no mundo moderno buscam-se gestores que sejam profissionais de alto nível, sendo especialista em sua área, mas também generalista, conhecendo um pouco de outras áreas do conhecimento. A administração “artesanal” foi pouco a pouco perdendo o seu espaço, e a gestão profissional foi se ampliando.

[Você conhece a ExpoCatólica?!]

A parábola ‘do homem que não queria afiar a serra’ ilustra bem a necessidade do conhecimento e especialização. Este homem estava exausto serrando uma grande madeira. Alguém pergunta: – por que não descansa um pouco e afia a serra? Assim você vai trabalhar muito melhor e mais rapidamente vai serrar esta madeira!  Mas o homem impaciente responde: sei que a serra necessita ser afiada, mas não tenho tempo para afiá-la, tenho pressa em terminar este empreendimento! Às vezes insistindo em uma administração a partir do senso comum é como querer serrar uma madeira com uma serra cega.

Atualizando a gestão

Na gestão paroquial ou de entidades religiosas, o conhecimento se faz necessário, pois uma paróquia ou uma obra social não pode ser administrada a partir do senso comum, isto é, do ‘artesanal’.  Muitas vezes o senso comum levou párocos e administradores religiosos às verdadeiras aventuras administrativas, restando apenas uma crise econômica, onde a evangelização ou as finalidades da instituição são profundamente afetadas.

O gestor deve estar sempre sintonizado com as metas da instituição, seja diocese, paróquia ou outra entidade. Se a instituição não tem metas bem claras e definidas, é importante que o gestor ajude esta instituição a projetá-las.  As metas econômicas também devem ser definidas, pois a instituição pode carecer em não conseguir os objetivos propostos se não tiver recursos necessários.

Já dizia o filósofo Francis Bacon (1561-1626) que ‘saber é poder’, por isso, o conhecimento adquirido no decorrer da vida, nos cursos, leituras, congressos, etc, leva a pessoa a saber fazer bem uma gestão.  O estudo vai moldando a pessoa a tornar um gestor por excelência, aperfeiçoando as suas habilidades e competências.

Leve o RECIPAR – Seminário de Secretaria Paroquial para sua paróquia

Atitudes adequadas do gestor

Para um gestor competente e de alto nível, as atitudes também devem ser trabalhadas. Por exemplo, um gestor pode ter os maiores conhecimentos, mas se ficar apenas lamentando e vivendo em torno das dificuldades e das mazelas alheias, não conseguirá avançar em uma administração profissional. Vai ser uma pessoa ‘re-ativa’ e não proativa. A atitude proativa deve permear a gestão daquele que se coloca a mão no arado (cf. Lc 9, 62) de uma paróquia ou entidade religiosa.

A competência vai sendo desenvolvida no desempenho da função do gestor, que consegue articular conhecimento e atitudes proativas, transformando o conhecimento e as informações em resultados esperados pela comunidade, que é o crescimento de recursos para melhor evangelizar.  A competência vai se manifestando na liderança, na capacidade de trabalhar em equipe, na pontualidade, na comunicação eficiente com a comunidade e com uma visão de futuro.  Enfim, é a conjugação da competência técnica com um comportamento ético.

[Visitantes também têm lugar na ExpoCatólica]

5 competências na gestão

  1. Adquira novos conhecimentos na área que irá administrar;
  2. Ultrapasse a administração artesanal, do senso comum, para ter uma gestão profissional;
  3. Defina metas – claras e objetivas;
  4. Tenha atitude proativa, superando as atividades re-ativas;
  5. Atue com competência técnica e aja com um comportamento ético.

Pe. Joaquim Parron, CSsR é Missionário Redentorista de Campo Grande, Doutor em Ética pela The Catholic University of America, Mestre em Pedagogia Universitária pela PUC/PR e Autor do livro “Novos paradigmas pedagógicos”, Paulus Editora.

Fonte: Revista Paróquias, ed. 22. Para ler mais matérias sobre gestão eclesial, assine já: (12) 3311-0665 ou [email protected]

Faça um comentário