No ano em que a Igreja celebrou o centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima e o tricentenário do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, uma cantora que vem ganhando espaços na música católica brasileira assumiu para si uma importante missão, “cantar Jesus por Maria”.

Marcela Siesler é de Petrópolis (RJ) e desde a infância cultiva em seu coração duas paixões, a música e a devoção pela Virgem Maria. Recentemente, uniu ambas em um mesmo projeto denominado Magnificat.

Veja também:
Músico Clayton Dias colabora com diretor do coro do Vaticano
Grupo musical católico, Expresso HG, prepara mais uma ação

A cantora explicou que este projeto musical “pretende difundir a devoção mariana através de shows musicais dinâmicos e orantes, bem como pelas músicas gravadas em um CD, ajudando a celebrar e fazer memória, como uma forma de ação de graças”.

O título Magnificat é o nome do “poema que ficou conhecido na história por causa da primeira palavra de tradução latina de exaltação a Deus, o louvor de Maria de Nazaré” ao Senhor quando visitou sua prima Isabel.

“Este projeto surgiu quando eu buscava minha identidade como cantora, no caminho da profissionalização, e ao encontrá-la demasiadamente mariana, deparei-me com o Ano Mariano no Brasil, 300 anos do milagre de Aparecida e 100 anos de Fátima, contexto perfeito para lançar um projeto mariano”, sublinhou.

Para expressar como vê essa sua missão, Marcela citou uma frase de São Luís Maria Grignion de Montfort: “Quanto mais uma alma estiver consagrada à Maria, tanto mais estará consagrada a Jesus Cristo”.

“A Virgem Maria conduz seus filhos até Jesus Cristo. Mas também é verdade que Jesus nos leva até Maria: Ele é quem inseriu seus vocacionados na comunidade de fé – a Igreja – que encontra em Maria sua melhor e mais nítida imagem”, acrescentou.

Marcela Siesler começou a cantar ainda criança, aos 9 anos, no coral das crianças da catequese da Paróquia Nossa Senhora do Amor Divino, em Corrêas, bairro de Petrópolis, com as irmãs vicentinas.

Naquela época, recordou, o pároco era Pe. José Carlos Medeiros Nunes, conhecido como Pe. Quinha, falecido em 2013. Segundo Marcela, este sacerdote foi “o primeiro grande incentivador desta missão”.

Anos mais tarde, já adolescente, seguiu cantando no ministério Cristo Vida, em Itaipava, também em Petrópolis. E, desde 1999, é ministra de música na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no bairro Quitandinha, na mesma cidade.

No decorrer de todos esses anos, garantiu, “sempre senti um chamado, um desejo de ampliar minha missão de cantar música, e música sacra. Não cantar por cantar. Mas cantar a fim de fazer o outro rezar, encontrar-se com Deus”.

Além disso, ao seu dom para a música, uniu a relação que cultiva com Nossa Senhora, algo que, conforme relatou, “se estreitou desde minha infância e, principalmente, no início da adolescência, quando vivenciei um período longe de minha mãe”.

Esta relação com a Mãe de Deus é vivida “bem no cotidiano, nas pequenas coisas, as mais simples, como uma mãe mesmo que caminha junto, orienta, fortalece, conduz para Seu Filho, o Cristo”, por exemplo, com “uma Ave Maria em família antes de dormir, um Ângelus na hora do almoço, uma Ave Maria antes da escola, do trabalho, na alegria, na adversidade”.

Assim, Marcela Siesler tem seguido com sua missão como cantora e devota da Virgem, buscando transmitir “uma mensagem de exercer uma relação íntima com Jesus e com Sua Mãe, Maria Santíssima”.

Fonte: ACI Digital

Faça um comentário