Todos somos convidados para a vinha do Senhor e como é bom responder sim a este convite tornando-nos operários conscientes e ativos na obra de evangelização. A Igreja peregrina e presente em toda a terra é constituída por todos os batizados que precisam a cada instante do alimento da Palavra e dos Sacramentos, especialmente a Eucaristia. Para tanto Deus vocaciona os seus ministros a quem confere a missão de anunciar e pastorear o seu povo. Os leigos são chamados a se tornarem também evangelizadores protagonistas e não meros pacientes da evangelização.

Formada de homens e mulheres a Igreja carece de templos para congregá-los em assembléias litúrgicas de louvor a Deus e formá-los na vida de oração. Os Ministros necessitam sobreviver dignamente e os templos – que são a casa de Deus entre os homens, além de sólida construção – merecem uma digna conservação e manutenção.

Assim como as nossas famílias e as nossas casas dependem de diversos recursos materiais e humanos, também a comunidade que é a família dos filhos de Deus, precisa destes recursos para manter o seu dinamismo e ampliar cada vez mais as fronteiras da nossa Igreja – afinal a Palavra de Deus convoca-nos a anunciar o Evangelho a todas as nações.

Não é possível que um membro da Igreja se sinta plenamente integrado ao povo de Deus enquanto não contribuir com parte de seu tempo, talentos e recursos – colocando-os em comum para o benefício de todos e para a expansão do Reino de Deus entre os homens. O Senhor nos chama insistentemente, desejando inflamar com chamas de amor a Sua Igreja e o mundo inteiro.

Diante desta amorosa vocação cada um de nós, cristãos, somos convocados a demonstrar a nossa fidelidade. Existem múltiplas formas de respostas possíveis, mas não há dúvida que entre elas “o Dízimo é o sim do dizimista!”

Autor: Luiz Tarciso

Faça um comentário