Em uma secretaria paroquial é relevante que a secretária tenha em mente facilitar o seu dia a dia o máximo possível sem, contudo, deixar cair a qualidade de seus serviços. Para a maioria das atividades humanas, não somente falar bem como também escrever bem é reunir ideias, emoções, argumentos, organizá-las em frases bem ordenadas que possam ser compreendidas de forma imediata pelos leitores a quem a mensagem é dirigida. Isso deve ser feito de maneira agradável, concisa e sem erros gramaticais. Mensagem mal encadeada é como ruído em linha telefônica. Fica complicado, a quem está do outro lado, entendê-la. Dá a impressão de que o redator não sabe muito bem do que está falando. Um texto mal redigido transmite a sensação de que seu autor é um profissional despreparado para as suas funções.

Conheça o CONASPAR – Congresso Nacional de Secretários Paroquiais
Leve o RECIPAR – Seminário de Secretaria Paroquial para sua paróquia

Para tal, é bom que conheça os diversos tipos de correspondências que abarcam o seu contexto de trabalho; por exemplo: sendo você a (o) secretária (o) paroquial, provavelmente terá de preencher ou redigir proclamas de casamento, certidões de casamento e nascimento, certidões de batismo ou crisma, redigir atas de reuniões, cartas comerciais, circular interna, declarações, memorandos, avisos entre outros.

Tome nota

É importante que tenha conhecimento do vocabulário específico mais utilizado nesse meio, e aqui não apenas do vocabulário eclesial, mas também do popular considerando-se que deverá comunicar-se com todo tipo de pessoas de níveis e culturas diferentes. Deverá conhecer desde a correspondência formal oficial até como redigir um e-mail, quando seu espaço de trabalho for informatizado. O modo como falamos não é o mesmo como escrevemos, pois determinadas situações na escrita devem obedecer a determinados padrões de formalidade. A correspondência, geralmente é dividida em:

1 – Particular

Quando é trocada entre pessoas da vida privada, tais como notícias do quotidiano, da família, de viagens, agradecimentos, convites, pêsames. A espécie mais particular de todas é a chamada carta de amor, onde se expressam as nuanças do sentimento mais humano de todos.

2 – Comercial

Inclui toda espécie de cartas e documentos ligados a transações comerciais, industriais e também financeiras, tai como assuntos bancários, investimentos, empréstimos, câmbio, etc. Atualmente a correspondência comercial simplificou-se muito graças à tecnologia do fax, telex e agora do mais recente e-mail (via internet). Em geral usa-se o padrão de memorando.

3 – Oficial

Quando provém de instituições do serviço público tanto dos civis como militares, ou a elas se dirige. Abrangem atos de poderes legislativos, executivos e judiciário, requerimentos dos cidadãos, avisos à população, etc.

Observe os elementos básicos para a redação para correspondência tais como:

a) Mensagem O conteúdo deve estar bem definido antes de ser escrito. O remetente precisa ter ideias claras a respeito do que quer dizer ao destinatário, organizadas em sequência lógica. Apresentando início, meio e fim. Observar também o modo de ser do destinatário, sua posição social ou profissional para que se possa escolher qual a melhor maneira de transmitir-lhe a mensagem desejada.

b) Estilo

As qualidades tradicionalmente citadas da expressão verbal, quais sejam clareza, concisão, precisão, correção harmonia e polidez são essenciais. O destinatário precisa entender o que se quer dizer, portanto, a clareza e a precisão são indispensáveis. Quando estamos redigindo uma correspondência é necessário conhecer o sentido exato das palavras que se está empregando. Saber usar o vocabulário a fim de escolher por aquelas que traduzem mais imediatamente suas ideias. Ser conciso, ou seja, dizer com um mínimo de palavras o máximo de sentidos, desde que não se torne incompreensível.

Atentar para as regras da norma culta quanto à ortografia, acentuação, pontuação, concordância e regência para que a mensagem não fique prejudicada pela impressão de falta de cultura do remetente. O excesso, o exagero também não ajuda.

c) Tratamento

Ao dirigir-se ao destinatário, o remetente sempre possui, na língua portuguesa, vários modos de estabelecer contato, as chamadas formas de tratamento, que incluem os pronomes pessoais. Senhor, Excelência, Reverendíssimo, e assim por diante, vossa excelência, vossa senhoria, etc.

Preste atenção

Outro aspecto essencial para desenvolvermos uma boa redação é o hábito da leitura. Redigir exige requisitos próprios, entre eles saber ler e entender. Todo e qualquer tipo de leitura pressupõe busca de informação. São essas informações que estarão presentes quando da elaboração de um texto. Dentro do aspecto leitura encontramos a leitura informativa, a formativa e a literária. Quanto à primeira, podemos dizer que se trata de informar o leitor sobre um determinado assunto como, por exemplo, os artigos de jornais e revistas, textos publicitários, etc.

Já a leitura formativa é aquela que conduz o leitor a refletir e a se posicionar diante das informações assimiladas como nos documentos, nos livros didáticos, nos ensaios e nas resenhas. E temos a leitura literária que leva o leitor a transcender o seu mundo habitual, possibilitando a vivência de outras situações. Ao ler um romance, nos colocamos no lugar de alguns personagens, sentindo as mesmas angústias, vivendo os mesmos sentimentos. Essa última leitura nos leva de fato ao conhecimento crítico

Sugestão

Existem no mercado vários guias e manuais para aprimorarem-se as técnicas de redação.  O importante é não termos medo ou vergonha por não sabermos essa ou aquela regra. As gramáticas existem para nos auxiliarem em nossas dificuldades. Tenha por perto uma boa gramática e, se você trabalha com computadores use-o fazendo as pesquisas em sites apropriados para tirar as dúvidas.

Os diferentes dicionários também são outra excelente ferramenta para termos às mãos nos momentos de dúvidas quanto à ortografia e aos diferentes usos e sentidos das palavras. Tenha um ou dois em seu desktop (área de serviço no computador). Não fique constrangida (o) de pesquisar, perguntar, pois é assim que aprendemos.

Eliete Madureira é Graduada em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Uberlândia/MG, Pós-Graduação Latu Sensu em Análise do Discurso. Autora do livro “Manual de redação para secretariado paroquial”, pela Editora A Partilha.

Contato: [email protected]

Fonte: Revista Paróquias, ed. 21. Para ler mais matérias sobre Secretaria Paroquial, assine já: (12) 3311-0665 ou [email protected]

Faça um comentário