3 motivos para irmos à Confissão com alegria em vez de medo
Foto: Giuseppe Cacace | AFP

A ideia de que a Confissão sacramental é constrangedora e vergonhosa é um engano: os 7 Sacramentos são fonte de intensa alegria!

Por falta de adequada catequese, muitos católicos têm uma visão errônea sobre o Sacramento da Reconciliação, que é visto equivocadamente como um momento de constrangimento, vergonha, temor. Na verdade, a graça de podermos confessar os nossos pecados e recebermos o perdão é uma fonte de profunda e autêntica felicidade!

Os motivos são muitos, mas aqui vão três:

1. Porque ser perdoados é um presente de Jesus!

Cristo disse aos Apóstolos, Seus primeiros sacerdotes:

“Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados lhes são perdoados” (Jo 20, 22).

Ele nos deu o sacramento do perdão simplesmente porque nos ama!

Veja também:
O que significa dizer que Jesus Cristo é ao mesmo tempo verdadeiro Deus e verdadeiro homem?
Soldados nigerianos em batalha se ajoelham para adorar Jesus Eucaristia

2. Porque é saudável nos reconhecermos pecadores

Não há nada de negativo em reconhecermos a realidade: pelo contrário, o humilde reconhecimento dos fatos nos liberta do autoengano e torna mais fácil o nosso processo de aceitação, superação, realização pessoal e santificação. Hoje em dia é muito difusa a ideia de que não existe pecado porque a nossa imperfeição é algo natural, mas um fato não elimina o outro: é óbvio que somos imperfeitos, mas isto passa longe de ser uma “boa desculpa” para nos acostumarmos ao pecado.

“Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos e não há verdade em nós” (1 Jo 1, 8).

Além do mais, há pecados que são mortais para a alma:

“Há pecado para morte” (1 Jo 5, 16).

Qual é o sentido de nos resignarmos àquilo que mata a nossa plenitude e felicidade de filhos de Deus?

3. Porque a confissão é bálsamo e felicidade para a alma

Livrar-nos do peso do pecado e assim reaproximar-nos de Deus é motivo de essencial felicidade! Os Sacramentos, aliás, são todos fontes de intensa alegria: pense nas grandes festas espirituais que são o Batismo, a Confirmação, a Primeira Comunhão, o Matrimônio, as Ordenações Sacerdotais… Mesmo a Unção dos Enfermos, entendida serenamente dentro da realidade da vida finita que cede espaço à eternidade, é motivo de profunda paz e felicidade, inclusive em meio à provação da doença, da velhice e da morte do corpo.

Também a Confissão sacramental é motivo de intenso regozijo: ela promove o nosso reencontro filial com nosso Pai Misericordioso e sempre pronto para nos abraçar com Amor Eterno; ela é experiência de reconciliação, perdão, alívio, amor, alegria, gratidão – e não de constrangimento, temor, complexo, frustração, desconfiança, ego ferido… Todos os Sacramentos são pura graça e bálsamo!

Fonte: Aleteia

Faça um comentário