“O milagre tem começo, meio e fim, e muitos de nós experimentamos hoje o começo do nosso milagre”

Recentemente em uma conversa informal com um grande neurocirurgião, acostumado com ritmo intenso de urgências, perguntei a ele qual a melhor definição de cura. Gentilmente me respondeu com termos técnicos, mas com uma conclusão que eu achei fantástica: “cura pode ser vista como uma pequena melhora”.

Ouvir “pequena melhora” despertou em mim – como missionário – uma nova visão em relação aos milagres que tanto pedimos e esperamos no dia a dia.  Uma “pequena melhora” deve ser perseguida, desejada e celebrada, pois isso é cura.

Parece que uma pequena melhora não é o suficiente para declararmos a cura, mas o milagre tem começo, meio e fim, e muitos de nós experimentamos hoje o começo do nosso milagre. Por isso, precisamos aprender a celebrar, dar graças, declarar a vitória de Jesus em nossa vida.

Marcas, traumas, lembranças, resquícios que ficam na memória e até mesmo incrustadas em nosso corpo são obrigadas a nos deixar quando aprendemos a comemorar cada milímetro para cima, pois agora a única direção é para o alto!

Lembra o caso dos dez leprosos? Jesus não os curou de imediato e sim os mandou caminhar, se apresentarem ao sumo sacerdote. E diz a sagrada escritura que, enquanto estavam a caminho perceberam a cura acontecer.

Em outro momento (Jo 9, 1-6), Jesus fez lama com a saliva, passou nos olhos do cego e pediu para que caminhasse até a piscina de Siloé para se lavar. Jesus queria tirá-lo da inércia, que voltasse a caminhar, pois era cego e não paralítico, o tirou da letargia. Ele foi comemorando a possibilidade de uma cura e voltou feliz.

Uma “pequena melhora” deve ser muito comemorada. É assim que somamos vitórias! É assim que Deus cura nossas feridas do passado e do presente, com um procedimento pedagógico, pois muitos pacientes são impacientes, o que dificulta o processo de cura.

Convido-lhe a entrar nesse processo de cura, física ou interior; permita um diagnóstico profundo, completo, uma intervenção, um prognóstico radical, pois o que está em jogo é toda a sua vida.

Muitos são os que envelhecem mantendo a amizade com o médico que um dia os curou ou os tirou da crise. Falam dele para todos, o indicam para os amigos, levam presentes em datas especiais, torcem para que esteja em seu plano de saúde e o que ele fala é uma ordem.

 

Jesus é mais que esse profissional! Ele está disposto a lhe curar. Quer ressuscitá-lo, tirá-lo da crise, da inércia, da letargia. Chega a se fazer alimento para nós. Confie e fique atento! Enquanto você lia, algo lhe acontecia. Perceba o que foi e comemore, pois, sua hora chegou, seu milagre começou!

Por Dunga: Missionário da Comunidade Canção Nova e apresentador do programa PHN (Por Hoje Não) transmitido pela TV Canção Nova. Já gravou onze CDs e três DVD’s. É autor de cinco livros. Twitter: @dungaphn

Compartilhe:

Faça um comentário