Médica brasileira, católica e fundadora da Pastoral da Criança, é mais uma candidata à santidade

 

A médica sanitarista morreu em missão, há cinco anos, no dia 12 de janeiro de 2010, aos 75 anos, durante um terremoto no Haiti.  A entrega oficial da moção que solicita a abertura do processo de beatificação da médica foi realizada no dia 10 de janeiro, na Arena da Baixada, em Curitiba (PR). Cerca de 40 mil pessoas de todos os estados brasileiros estiveram presentes.

A Sagrada Eucaristia foi conduzida pelo presidente da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB), Cardeal Dom Raymundo Damasceno, e contou com a presença de mais de 20 bispos de vários municípios brasileiros e autoridades municipais e estaduais. Durante a celebração, a Pastoral da Criança entregou à Arquidiocese de Curitiba o pedido, com quase 130 mil assinaturas. Agora, o Arcebispo de Curitiba, Dom José Antonio Peruzzo, deve apresentar o caso à Congregação das Causas dos Santos, no Vaticano.

A moção é um documento que reúne assinaturas, com o objetivo de demonstrar o apoio da população a uma causa ou proposta. Neste caso, os fiéis apóiam o reconhecimento à fama de santidade e ao legado evangelizador e pastoral da doutora Zilda.

A Pastoral da Criança, fundada em 1983, é uma organização católica que assiste quase 1,3 milhões de crianças pobres em 20 países da América Latina, África e Ásia. Zilda Arns recebeu numerosos prêmios, como o de direitos humanos nas Nações Unidas, concedido em 2002.

“O trabalho de minha mãe à frente da Pastoral foi marcado pelo altruísmo e isso permanece até hoje. As pessoas que integram a Pastoral buscam melhorar sua atuação junto às crianças e à sociedade, não pedem nada para si, mas pelos outros. O apoio à beatificação de uma leiga também chama a atenção para o fato de que todos os cristãos são chamados à santidade, e não apenas aqueles que seguem a vocação religiosa”, disse Nelson Arns, coordenador nacional adjunto da Pastoral da Criança e filho de Zilda.

Para o arcebispo da Paraíba (PB) e membro do Conselho Diretor da Pastoral da Criança, Dom Aldo Di Cillo Pagoto, responsável pelo anúncio de que a Igreja do Brasil daria início ao pedido de beatificação de Zilda, o reconhecimento da médica representaria a valorização do enorme legado deixado por ela.

“Zilda dedicou-se a uma concepção de vida que precisa ser valorizada. Foi agregadora dos valores de defesa e promoção da vida de crianças e idosos. Seu trabalho tem um caráter sagrado, mas também político. Por isso pedimos reconhecimento para essa líder e benemérita”, declarou.

Por: ACI Digital

Compartilhe:

Faça um comentário