Aconselhamento pastoral: torne sua paróquia um exemplo de evangelização virtual

Não sou avesso a mídia. Devo confessar que gosto dela. É até triste quando ouvimos um sacerdote ou um leigo atuante nas pastorais, criticar ou rejeitar veementemente o que as novas tecnologias têm a nos propor.

Conheça o CONAGE – Congresso Nacional de Gestão Eclesial

Falta-nos talvez uma propriedade maior para lidar com elas para melhor se usufruir dos seus recursos. Por mais que ainda queiramos usufruir de todas as mídias para os trabalhos pastorais, somos ainda amadores e, muitas vezes temos preguiça de aprender porque requer não só vontade, mas determinação, investimento e profissionalismo. E nem sempre esta é uma das maiores preocupações das nossas paróquias.

O Papa Bento XVI tem alertado e estimulado o uso das novas tecnologias em seus pronunciamentos. A Igreja tem o aval daquele que acredita que as novas tecnologias, em seu uso atento e ponderado, possa contribuir intensamente para que a nossa mensagem chegue até aonde deve chegar.

Em um primeiro instante, toda a paróquia precisa estar envolvida com esse trabalho que não é um apêndice na vida pastoral, mas uma célula importante que precisa ser usada, eu até diria, domesticada.

Infelizmente, ela ainda parece um animal selvagem pronto assumir de vez ou nos fazer sumir de vez da vida dos nossos fiéis. É claro que não é a internet que vai dar qualidade à vida da paróquia ou aos ensinamentos do padre na homilia, mas ela pode ser veículo para que uma homilia qualificada chegue aos ouvidos dos nossos fiéis.

As novas mídias ou tecnologias, como twitter, facebook, instagran, entre outras, chegam a causar arrepios nos mais céticos. Ou porque não sabem usar adequadamente os meios alegando não ter tempo ou porque simplesmente ignoram. Ledo engano. Elas chegaram para ficar e causam, principalmente entre os jovens, um fascínio interessante.

E a gente se pergunta: por que essas novidades estão invadindo um espaço que antes era dominado pelos pombos-correio e máquina de escrever? A resposta é bem assim, simples e objetiva: o mundo evolui. A tecnologia hiperativa não para. Nesse caso, resta perguntar: nesses novos espaços, onde fica a paróquia?

Conheça o CONADIZ – Congresso Nacional da Pastoral do Dízimo e da Partilha

4 aspectos que devemos entender:

  1. A paróquia deve ficar onde sempre esteve;
  2. Os parâmetros precisam ser ampliados;
  3. A noção da agilidade da comunicação precisa ser assimilada na mesma velocidade que ela;
  4. Uma linguagem pastoral diferenciada com os novos meios podem e devem ser agregados aos de uso comum.

Temos pastorais que transitam facilmente no universo dos jovens e adolescentes, e eles poderiam ajudar nesse processo de modernização dos canais de comunicação. Primeiro entre eles, depois entre as pastorais e assim envolvendo toda a comunidade.

Essas novas tecnologias criam espaços onde as pessoas se encontram, trocam mensagens, avisos, notícias e em poucos segundos se conectam com o mundo e com o vizinho do lado.

É muito raro um jovem das nossas paróquias, em qualquer lugar desse país, não esteja vinculado à rede dessas novas mídias. Se não em sua própria casa, há um espaço na escola, na prefeitura ou em minúsculos ciberespaços nas pequenas cidades ou comunidades.

Os grandes portais favorecem a criação dos grupos de discussão, debates e troca de experiências. Por que não pensar em um canal de comunicação entre as pastorais? Os sites hoje são apenas canais de informação, apresentação de datas, reuniões, fotos com os últimos acontecimentos e param por aí. Nem sempre bem feitos com um layout arrojado e agradável. Esse, que eu chamaria de canal paroquial, poderia ser o centro de conteúdo e informações para o paroquiano e para os que estão distantes geograficamente da paróquia.

Os fóruns de debate têm sido um grande meio de pesquisa para as grandes redes de comunicação e para as grandes empresas. Por que não criá-los? Seria bom criar fóruns de debate, dispor de informações, orientações, cursos e um gerenciamento de atividades virtuais que chegassem não só aos paroquianos conectados como aos que não frequentam a paróquia.

Pois bem, a paróquia é formada por comunidades, sejam distintas, distantes ou em suas pequenas células pastorais. São ativas, produtoras de frutos e se beneficiam com isso. Por que não ampliar os beneficiados? Não seria ocasião de oferecer pequenas orientações sacramentais, bíblicas e catequéticas por meio da internet? Não seria importante criar um vínculo, ainda que virtualmente entre o padre e o internauta?

Leve o RECIPAR – Seminário de Secretaria Paroquial para sua paróquia

3 passos para estender os recursos tecnológicos:

  1. Organize um grupo de reflexão (a Pascom pode ajudar nessa fase);
  2. Determine o público a ser atingido,
  3. Disponibilize as informações e atualize-as sobre as diversas áreas pastorais.

Com prudência, podemos colher bons frutos dessas novas tecnologias, basta deixar o preconceito de lado e ligar o computador. Um novo mundo certamente irá se abrir.

Pe. Air José de Mendonça, MSC é Presbítero da Congregação dos Missionários do Sagrado Coração, Pároco na Arquidiocese de Campinas/SP e Apresentador na TV Século XXI.

Faça um comentário