As crianças devem pensar que o Papai Noel existe?

Devemos deixar nossos filhos acreditarem na existência do Papai Noel?

Todos os anos, à medida que o Natal se aproxima, o Papai Noel é omnipresente: em supermercados, em embalagens de chocolate, em livros e desenhos animados. Mas devemos deixar os nossos filhos acreditarem na sua existência?

 

O Natal, como sabemos, não é o Papai Noel. E este personagem bastante amigável se torna pesado e assustador quando ele esconde a realidade do mistério do Natal. Os pais cristãos, portanto, têm muitas perguntas sobre o Santa Claus: que lugar ele deve ter na família?

Você nunca deve mentir para uma criança

Há uma grande diferença entre o deixar acreditar em uma lenda e ficar preso em mentiras quando a criança começa a suspeitar. Ou seja, uma criança pode contar a si mesma histórias – sobre o Santa Claus ou qualquer outra coisa (um amigo imaginário, por exemplo) – e gosta de conversar sobre elas com os pais como se fossem verdadeiras, mesmo sabendo no fundo que é um jogo. Mas quando ele faz uma pergunta direta porque quer saber a verdade, ele merece saber. Caso contrário, no dia em que o descobrir, compreenderá ao mesmo tempo que os seus pais lhe mentiram e que não pode confiar neles.

No que se refere ao Natal, se tentarmos provar a existência do Papai Noel fazendo mil mentiras, no dia em que a criança compreender a verdade, corre o risco de rejeitar, ao mesmo tempo que o Papai Noel, tudo o resto: o Filho da manjedoura e a Boa Nova que Ele nos vem trazer. Se falamos de Papai Noel e de Jesus com o mesmo poder persuasivo, por que a criança, não acreditando mais em um, continua acreditando no outro?

Veja também:
Filho padre preside a missa onde o pai serve pela primeira vez como Diácono

Nunca se esqueça do verdadeiro significado do Natal

Por muito simpático e divertido que o Papai Noel seja, ele nunca deve esconder ou diminuir a verdade do Natal. Por isso, é essencial reorientar sempre as crianças para a infantário: éno Natal que isso acontece. Tudo o que experimentamos no Natal, incluindo presentes, sófaz sentido através da manjedoura. É porque Deus se fez homem que somos felizes, éporque Ele veio para nos chamar ao amor que trocamos dons, sinais deste amor partilhado. Temos de o dizer às crianças vezes sem conta.

Devem ser capazes de o viver muito concretamente, preparando presentes, visitando uma pessoa isolada para partilhar com ela a alegria do Natal, enviando cartões de Natal para levar o calor do seu afecto a quem está longe, escolhendo alguns dos seus brinquedos para dar às crianças necessitadas, e preparando espiritualmente – pela oração, pelo espírito de pobreza e partilha – para acolher Jesus.

Devemos deixar os nossos filhos acreditarem no Papai Noel?

“Retirar o Papai Noel? Nem pensar! Seria remover uma parte essencial do sonho de nossos filhos”, objetam alguns pais. Outros acrescentam: “Não fazer com que eles acreditem no Papai Noel seria marginalizar os jovens porque eles ouvem falar disso em todos os lugares, especialmente na escola.” Este último argumento é mais do que questionável: leva o problema ao contrário.Seria uma loucura, na verdade, se fosse a lenda a ter precedência sobre a realidade, sob o pretexto de que a maioria adere a um e não ao outro. Depende de nós, cristãos, dar a volta às coisas para que em todos os lugares a manjedoura esteja no centro da celebração do Natal. Se alguém é cristão ou não, não se pode negar o fato histórico do nascimento de Jesus ou o significado primário do Natal.

Quanto ao argumento de que a partilha do sonho é tão importante para as crianças, éverdade que muitas crianças, cujos pais sempre negaram a existência do Papai Noel, brincam a acreditar nele e falam dele “como se” fosse verdade. Podemos muito bem jogar seu jogo, com a única condição de que nunca falemos sobre Santa Claus e Jesus da mesma maneira. Porque o Evangelho não é um jogo, não é “como se”. A verdadeira história do amor de Deus por nós não é infinitamente mais bela do que todas as lendas?

Christine Ponsard – ACI Digital
Compartilhe:

Faça um comentário