Bispo de Formosa lista Papa Francisco como testemunha de defesa em seu julgamento
Dom José Ronaldo / Foto: Diocese de Formosa

Dom José Ronaldo Ribeiro, Bispo afastado de Formosa (GO), listou o Papa Francisco como testemunha de defesa no processo em que é investigado pelo desvio de cerca de R$ 2 milhões da Diocese goiana.

O nome de batismo do Pontífice, Jorge Mario Bergoglio, aparece no documento apresentado pelo advogado do Prelado, Lucas Rivez, no qual estão listadas 31 testemunhas.

A relação foi encaminhada à 2ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) e, conforme indica o site ‘Metrópoles’, no documento afirma-se que o Santo Padre pode ser encontrado no endereço “Prefeitura da Casa Pontifícia, CEP 00120, Roma/Itália”.

Veja também:
Como lidar com as distrações durante a oração, segundo Santa Teresinha
Padre Fábio de Melo se desculpa por ironizar ‘macumba’ durante sermão

De acordo com o advogado, “o testemunho do Papa tem uma motivação estritamente técnica”, porém, não quis revelar a estratégia de defesa.

Como se trata de uma testemunha fora do país, indica ‘Metrópoles’, o juiz do caso deve encaminhar uma carta rogatória, procedimento jurídico adotado como forma de comunicação entre o Judiciário de países diferentes, com o objetivo de obter colaboração para prática de atos processuais, conforme define o glossário do Supremo Tribunal Federal (STF).

Além do Santo Padre, estão listados entre as testemunhas de defesa o Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giovanni D’Aniello, o Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, Cardeal João Braz de Aviz, e o Bispo auxiliar de Brasílica Dom Marcony Vinícius Ferreira, entre outros membros da Igreja.

Dom José Ronaldo e outros sacerdotes da Diocese de Formosa foram presos em 19 de março na Operação Caifás, deflagrada pelo Ministério Público de Goiás, acusados de desviar R$2 milhões e usar dinheiro das paróquias para a compra de uma fazenda de gado e uma casa lotérica.

O Prelado permaneceu cerca de um mês na prisão, tendo sido liberado após a concessão do habeas corpus em 17 de abril pelo Tribunal de Justiça de Goiás. Depois de ser solto, seguiu para a residência episcopal de Formosa, mas segue afastado e sem exercer qualquer função do governo pastoral da Diocese.

Atualmente, a Diocese de Formosa é governada pelo administrador apostólico nomeado pelo Papa Francisco em 21 de março, o Arcebispo de Uberaba (MG), Dom Paulo Mendes Peixoto.

Fonte: ACI Digital

Faça um comentário