A bonita história da conversão de uma mulher que havia ofendido Nossa Senhora Aparecida
Foto: Divulgação

Na semana quando os vicentinos brasileiros se preparam para ir à cidade de Aparecida (SP) – em demonstração de amor à SSVP e à ‘Padroeira do Brasil’ – eis uma história comovente envolvendo a santa na cidade de Arcos (MG), área do Conselho Metropolitano de Formiga.

Depois de insultar a imagem de Nossa Senhora, uma moradora da cidade começou a sentir um cheiro de rosas todos os dias às 15h. A mulher se sentiu tocada, pediu perdão ao padre e está frequentando a Igreja Católica local.

O insulto aconteceu no último dia 7 de março. Devido às comemorações pelos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora no Rio Paraíba do Sul, uma réplica dela tem percorrido todas as Dioceses do país. Em Arcos, a imagem foi recebida na Paróquia de Santo Antônio, na parte da manhã.

Veja também:
Oração à Nossa Senhora Aparecida para fugir do pecado
Casal de romeiros é assaltado em peregrinação na Dutra rumo a Aparecida

À tarde, o padre Paulo César Rodrigues (responsável pela Paróquia) estava na rua conversando com um fiel sobre a visita da imagem, quando uma mulher, de aproximadamente 45 anos, passou por eles e disse: “Eu não sei por que vocês estão entusiasmados com aquela ‘macaca’”.

Padre Paulo, que tem uma relação muito próxima de amizade com os vicentinos do município, disse que não respondeu nada a ela. Apenas rezou. “Eu rezei, pedi que Nossa Senhora abençoasse a cidade e livrasse de qualquer transtorno. De intolerância religiosa, e que o respeito acontecesse entre nós.

Pedi que Nossa Senhora tocasse o coração dessa mulher. Foi uma prece que eu fiz em silêncio”, disse ele em entrevista a um jornal local. E as preces do padre foram atendidas. Dois dias depois, a mulher foi a casa do religioso, pedindo perdão pelo insulto cometido.

A mesma imagem que foi ofendida, causou comoção e conversão em Arcos. Foi motivo de muita alegria para os idosos do Lar Pousada dos Berto, em Arcos, Obra Unida da SSVP. Ela esteve em visita à casa de repouso no dia 9, levada pelo padre Paulo Rodrigues. Ele foi assistido pelo Caixa do Dom Belchior, programa do Conselho Metropolitano de Formiga que fornece uma ajuda financeira a seminaristas de baixa renda para que possam se custear durante os estudos.

Fonte: NSCM

Faça um comentário