Esta é a fase que geralmente as crianças iniciam sua preparação para a Primeira Comunhão Eucarística

Os temas propostos visam uma adesão a Jesus Cristo e à Comunidade de fé

Para as crianças de 9 anos os temas poderão contribuir no conhecimento da Amor de Deus presente na História da Salvação; Jesus vem revelar o projeto de Deus e chamar a todos para a construção do Reino.

Para as crianças de 10 anos os temas apresentam a atividade de Jesus e o nascimento da Igreja, os sacramentos e o Reino de Deus como proposta de um compromisso de amor. Nessa fase as crianças são assim:

  • Idade social do jogo, da vivência em grupinhos;
  • Adormecem os impulsos sexuais;
  • Inicia-se o sentido da lei, do bem comum e da justiça;
  • Período marcado pela vida grupal acentuada, organização de atividades coletivas, intimidade, segredo, iniciativa, responsabilidade, a formação e definição do eu, desenvolvimento intelectual e autocrítica.
  • Período da prática; ruptura e rejeição infantil.
  • Querem participar das atividades da comunidade – “Deus vai gostar”

 Dinâmicas indicadas:

  • Introduzir no Encontro de Catequese atividades de montagem, recortes e colagens;
  • Motivá-las para atividades corporais, respeitando seus limites e habilidades;
  • Orientá-las sobre as características pessoais que devem ser respeitadas e valorizadas no grupo;
  • Valorizar as crianças em suas conquistas; Despertar o valor da pessoa humana e de suas capacidades – não reforçar por palavras e exemplos certa tendência ao preconceito;
  • Estimular na Catequese a participação das crianças em debates e atividades onde tenham que expor suas ideias;
  • Motivá-las para a participação em encenações e apresentações para a comunidade;
  • Reforçar o valor da contribuição pessoal nas atividades, jogos e dinâmicas, favorecendo as novas amizades;
  • Iniciá-las na leitura crítica da vida e dos acontecimentos;
  • Introduzir pequenas pesquisas e leituras bíblicas em grupos;
  • Organizar pequenas gincanas;
  • O encontro de Catequese deve ser empolgante;
  • Atendê-los em suas curiosidades e necessidades, buscando ouvi-las e orientá-las;
  • Favorecer a tranquilidade durante os encontros de Catequese;
  • Não forçar a formação de grupos mistos: meninos e meninas;
  • Incentivá-las para a solidariedade e gestos concretos de fraternidade;
  • Apresentar-se sempre com segurança no que diz e transparência no testemunho Apresentar a confortável certeza da presença de Deus na vida e na comunidade;
  • Despertá-las para a imitação de Jesus como amigo fiel;
  • Utilizar símbolos que colaborem na Catequese;
  • Evitar uma demasiada exigência na compreensão de temas mais complexos.

Orientá-las quanto aos critérios evangélicos de julgamento e formação da consciência

 

Pe. Paulo Gil é coordenação da Animação Bíblico-Catequética da Arquidiocese de São Paulo e do Regional Sul 1 da CNBB.

 

ARTIGO EXCLUSIVO – REVISTA PARÓQUIAS & CASAS RELIGIOSAS
ASSINE: [email protected]

Faça um comentário