Como as paróquias podem ser mais acolhedoras para as pessoas com deficiência?
Pessoas com deficiência / Crédito: Diocese de Saginaw

Recentemente, foi realizada nos Estados Unidos uma conferência de conscientização sobre as pessoas com deficiência para incentivar as paróquias a criar um ambiente mais acolhedor e acessível.

O evento ‘Disability Awareness Conference’ foi realizado na Paróquia Holy Spirit da Diocese de Saginaw, Michigan, no último dia 1º de agosto. Aproximadamente 170 pessoas assistiram e participaram de Missa, palestras, oficinas e Adoração Eucarística.

Durante o evento, tentaram responder: Como as paróquias podem ser mais acolhedoras para as pessoas com deficiência?

Veja também:
Padre Renato: Santidade não é projeto pronto
Quando duas almas do purgatório apareceram ao Padre Pio

Peg McEvoy, coordenador da Formação de Fé da Diocese, disse à CNA – agência em inglês do Grupo ACI – que as pessoas com deficiência devem ser consideradas parte da comunidade e, portanto, devem ter “um lugar onde possam participar de maneira significativa”.

Nas oficinas do evento, discutiram as recentemente revisadas “Diretrizes para a Celebração dos Sacramentos para pessoas com Deficiências”, lançadas em 2017 pela Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB).

Algumas diretrizes para acolher melhor as pessoas com deficiência

O documento afirma que os católicos com deficiências “têm o direito de participar dos sacramentos tão plenamente quanto os outros membros da comunidade eclesial local”.

Portanto, o texto destaca que as paróquias devem:

1. Celebrar os sacramentos de maneira acessível “às pessoas com deficiência e aberta a sua participação plena, ativa e consciente, de acordo com a sua capacidade”.

2. Ter sacerdotes que sempre consultem com estas pessoas ou com seus responsáveis ​​“antes de tomar decisões sobre o acesso às instalações da paroquia e a disponibilidade dos seus programas, políticas e ministérios”.

3. Ter o objetivo do “acesso total” ao templo, ou seja, que a adaptação das instalações em favor das pessoas com deficiência faça “parte da vida da vida litúrgica”.

4. Fazer com que as atividades, como visitas pastorais ou outras formas de comunicação social paroquial e diocesana, sejam uma forma concreta para a equipe pastoral trabalhar na “inclusão de todos os paroquianos na vida sacramental”.

5. Ter os seus pastores como “responsáveis ​​por oferecer a evangelização, a formação catequética e a preparação sacramental para os paroquianos com deficiências”.

6. Ter programas paroquiais de preparação catequética e sacramental adaptados para alguns paroquianos com deficiência, “embora, na medida do possível, as pessoas com deficiências deveriam ser integradas em programas ordinários”.

7. Incentivar as pessoas com deficiência “a participarem em todos os níveis do ministério pastoral que estão disponíveis e para os quais estão qualificados”.

8. Incentivar os membros da comunidade a desempenhar um papel “no convite, na acolhida e na inclusão das pessoas com deficiência”.

9. Incentivar os sacerdotes a “promover atitudes e uma cultura paroquial, e a desenvolver materiais informativos”.

Fonte: ACI Digital

Faça um comentário