Amar e não ser correspondido é causa de dor e frustração. Por trás dessa experiência, no entanto, mora um problema de fundo nem sempre percebido

O que devemos fazer quando o amor que temos por uma pessoa não é correspondido? Essa pergunta esconde uma dor e uma angústia bastante comuns hoje em dia, sobretudo entre os mais jovens. No entanto, ela só pode ser respondida adequadamente se tivermos bem claro em que consiste o verdadeiro amor humano.

Os tempos atuais, marcados por certo romantismo burguês, costumam pensar que o amor é algo que se sente. Por isso, já não é estranho que boa parte das pessoa acredite estar amando somente enquanto experimenta alguma sensação de prazer ou satisfação. E nem lhes passa pela cabeça que talvez a sua forma de “amar” seja não só a causa de seus sofrimentos, mas também uma manifestação de egoísmo.

Mas, afinal, o que significa amar de verdade? Como sair de si mesmo, fazendo pouco caso dos próprios interesses, quase sempre mesquinhos e fúteis, e passar a querer apenas o bem do amado, mesmo que dele nada se receba em troca?

É o que o Padre Paulo Ricardo explica neste novo vídeo do nosso projeto dedicado especialmente à família.

Se você tem passado por um problema semelhante ou conhece alguém que não se sinta correspondido, não deixe de compartilhar esse conteúdo. Ajude-nos a evangelizar e a divulgar #ComoSerFamilia!

Fonte: Aleteia
Compartilhe:

Faça um comentário