Mesmo já existindo dentro da CNBB, praticamente desde a sua criação, a Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé passou a ter este nome alguns anos mais tarde, à pedido da própria Santa Sé, com o objetivo de assessorar o episcopado brasileiro e trabalhar as questões de fé e da moral dentro da CNBB, orientando em algumas questões doutrinais.

Mas quem melhor nos explica o trabalho realizado por esta Comissão, é justamente o seu Presidente, Dom Pedro Carlos Cipollini, Bispo de Santo André, São Paulo [leia a seguir a transcrição do depoimento]:

“Prezados radiouvintes da Rádio Vaticano. Uma saudação à todos que me ouvem neste momento. Gostaria de agradecer a oportunidade de estar aqui e dizer uma palavra sobre a nossa Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé, da CNBB. Esta Comissão Episcopal, que trata das questões de fé e assessora a Conferência Episcopal Brasileira, a CNBB, ela já existe desde praticamente o início da CNBB, com outro nome. A preocupação dos Bispos do Brasil na década de 60, uma década após a fundação da CNBB em 1952, era ter uma palavra autoritativa, uma assessoria melhor em questões de fé. No início, a Comissão se preocupou com a questão de fornecer respostas diante do avanço do espiritismo e de outras modalidades, da existência de, vamos dizer assim, não digo religiões, mas podemos dizer, religiões que no Brasil eram muito significativas para o trabalho pastoral, no sentido de representar um desafio. Depois a Comissão foi se aprimorando e chegou a ter este nome hoje, principalmente a partir da década de 70, 80, a pedido da própria Santa Sé, de ter uma Comissão que assessorasse, que trabalhasse as questões de fé e moral dentro da CNBB, assessorando os Bispos. Esta Comissão é eleita pelos bispos, entre os bispos que têm condições de ajudar nesta linha, e sempre procurando, dentro das várias especialidades da Teologia, e ela tem prestado um grande serviço, no sentido de dar uma palavra, de orientar algumas questões, responder a algumas indagações que às vezes apresentam, ilustrar para a Assembleia alguns itens ou temas”.

“É uma Comissão Episcopal e ela leva o nome de Pastoral também, porque ela tem como objetivo, a pastoral, o trabalho pastoral da Conferência, naquilo que implica a fé. De forma que os membros da Comissão se reúnem normalmente. Nós temos uma reunião anual com os peritos da Comissão. Nós temos 20 peritos na área de Teologia Sistemática e Moral e na área bíblica também. Inclusive temos também uma Comsisão interdisciplinar de peritos e uma Comissão de Bíblia: professores, pessoas que nos assessoram na revisão da tradução da Bíblia que a CNBB edita, que será esta revisão editada, para ajudar, inclusive o texto oficial da Bíblia da CNBB, para a liturgia, nas traduções que a CNBB promove do Missal e de outros textos litúrgicos. Então a Comissão também presta assessorias analisando alguns escritos quando solicitada, quando aparecem algumas dificuldades. Tudo isto é trabalho da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé. Sempre em diálogo com os Bispos e também em diálogo com a Santa Sé, com a Congregação da Doutrina da Fé. Quando solicitado, quando temos que responder algumas questões, de forma que este é o trabalho da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé”.

Fonte: Rádio Vaticano

Faça um comentário