Meu cônjuge é o meu caminho, minha vida, meu lar, o lugar no qual descanso e me encontro com Deus

É importante encontrar espaços nos quais possamos crescer casamento. Cuidar da cumplicidade quando estamos juntos, sozinhos ou em público. Tratar-nos com delicadeza, sem nos ferirmos.

Nunca deixar que o outro se sinta sozinho. Que saiba que estou aqui, ao seu lado, caminhando em sua vida, quando ele está perto ou longe. Também quando estamos com mais gente.

Não contar sobre nossa vida íntima a outras pessoas. O que vivemos é nosso e ninguém precisa conhecer. Não rir nem reclamar dele diante dos outros. Viver a castidade também é guardar sua dignidade, sua honra, sua fama, seu nome, sua imagem.

É importante cuidar da intimidade do casamento todo momento. Cuidar desse espaço no qual podemos nos entregar por inteiro. Cuidar do descanso e do diálogo. Que possamos estar juntos sem interferências.

Que o celular, o trabalho, a televisão, os seriados não nos façam deixar de cuidar do amor. Precisamos cuidar do que é nosso, desses tempos sagrados nos quais compartilhamos a vida.

Que não nos dispersemos nos amigos, nas reuniões familiares, sociais. O cônjuge é sempre a prioridade.

Por ele, faço coisas que jamais faria por outra pessoa, e deixo de fazer outras que gostaria de fazer. E faço isso feliz, porque o amo.

Por ele, deixei tudo. Por ele, começo de novo. Meu cônjuge é para mim o amor único, minha prioridade em tudo.

Quando éramos namorados, vimos na outra pessoa algo novo, que nos completava, complementava, encantava. O que era isso?

Agora é hora de recordar isso. Esse amor continua vivo na minha alma? O outro é o meu caminho. Minha vida. Meu lar. O lugar no qual descanso e me encontro com Deus.

O amor só é possível a partir dessa verdade. A partir da minha verdade, entrego-me inteiramente. E acolho a verdade do outro com alegria. Por isso, é fundamental nunca mentir, não ocultar coisas importantes que o outro deveria saber.

Não mentir com pensamentos, palavras ou segredos. Que minha vida seja transparente para o outro, limpa. Que ele saiba o que faço, o que sinto, o que me preocupa.

Meu olhar é muito importante. O olhar franco e verdadeiro. Puro e autêntico.

Como olho para meu cônjuge? Sou transparente, autêntico, verdadeiro?

Por Aletéia

Compartilhe:

Faça um comentário