De barman a sacerdote: “Deus é muito insistente!”
Pe. Juan de Cáceres (primeiro à direita) durante a sua ordenação sacerdotal. Foto: Diocese de Santander.

Como se deixa de ser barman e viver durante 15 anos sem ir à Missa e se torna sacerdote? Pe. Juan de Cáceres tem a resposta em sua vida: “Deus é muito insistente!”.

Pe. Juan começou a estudar Direito, mas deixou a carreira para abrir um bar onde trabalhava de barman. Ficou cerca de 15 anos sem ir à Missa até que um dia ele se confessou e voltou à fé, depois que um amigo o convidou a algumas palestras sobre a oração que mudaram a sua vida.

Hoje é sacerdote da Diocese de Santander, na Espanha.

Veja também:
Como vou rezar, se eu ainda não sei falar com Deus?
“Mexeram no que há de mais sagrado”, lamenta padre de paróquia profanada

Depois de terminar o colégio, Pe. Juan de Cáceres começou a estudar Direito. Segundo reconhece, não era um bom aluno. Então, em 2006, aos 28 anos, decidiu abrir seu próprio negócio, que se tornou o bar “da moda” em Santander.

Entretanto, o que prometia ser um negócio bem sucedido, com a chegada da crise econômica na Espanha se tornou um foco de dificuldades ao qual se uniu a crise de completar 30 anos.

“Eu estava muito perdido, com algumas economias que me preocupavam e devido à crise quase não havia clientes. Além disso, meus amigos deixaram de sair como antes e se casaram. Eu ficava sozinho”, assegura em uma entrevista à ‘El Diario El Montañés’.

Ele havia deixado de ir à Missa há quinze anos, mas um amigo o convidou a várias palestras sobre a oração e isso foi algo que mudou a sua vida.

No início, recordou, frequentava as palestras e depois passava um tempo com o seu amigo. Mas, aos poucos, alguma coisa mudou dentro dele: começou a frequentar a Missa novamente, confessou-se e continuou os seus estudos na universidade.

A sua vida começou a tomar um rumo novamente e, dois anos depois deste novo começo, “sentiu o chamado” ao sacerdócio.

Mas a sua primeira reação foi “dizer não”.

“Coloquei todo tipo de objeções: meu trabalho, minhas economias, minha vida. Pensava que o que eu tinha que fazer era me estabelecer bem e conhecer uma mulher que fosse me fazer muito feliz e ter uma família. Mas Deus é muito insistente!”. “E a partir deste momento não deixou que esta ideia saísse do meu coração nem da minha mente”, assegurou.

Por isso, quando decidiu entrar no seminário, pediu ao Bispo da diocese, então Dom Vicente Jiménez, que o enviasse para longe de Santander, porque “precisava manter distância” da sua vida anterior. E por isso entrou no seminário de Pamplona.

“Trabalhei no bar até um dia antes de ir a Pamplona, ​​onde vivi durante três anos fantásticos, de 2011 a 2014”, recordou. Durante esse período, Pe. Juan também trabalhou com a comunidade católica chinesa.

Em janeiro deste ano, foi ordenado sacerdote e lhe confiaram as paróquias das localidades de Beranga, Praves, Hazas de Cesto e Solórzano, em Santander.

Além do trabalho nas paróquias, também dá aulas de Religião três vezes por semana para adolescentes.

Mas, nem toda experiência de barman foi ruim. O sacerdote recordou que naqueles anos “era um pouco confessor de todo o mundo”.

Além disso, é o encarregado da pastoral vocacional da diocese, porque segundo explicou: “Muitas pessoas sentiram o mesmo que eu, mas não souberam como seguir, pois a sociedade às vezes não te deixa. Aqui estou eu para escutar e acompanhar”.

Fonte: ACI Digital

Faça um comentário