Segundo Attie (1992) a função da auditoria interna repousa em atividades detalhadas da empresa relacionada de maneira intensa, como o andamento de cada, função departamento, setor e operação.

Para a auditoria interna, por orientação gerencial da alta administração tem de examinar cada ramificação dos seguimentos em períodos regulares para observação a aderência à legislação e políticas internas e eficiência operacional.

 

Fundamentando

 

“A auditoria interna, por orientação gerencial da alta administração da empresa, tem que examinar cada ramificação e os segmentos, em períodos regulares de tempo, para observar a aderência às políticas, à legislação, à eficiência operacional e aos aspectos tradicionais de controle e salvaguarda da empresa, dando maior credibilidade as demonstrações contábeis e assegurar a veracidade das informações”.

Já a auditoria externa não elimina a interna, porque permite ao auditor independente, evitando trabalho em duplicidade, mas permite a identificação e resolução antecipada de problemas que só são solucionados no último instante.

Como resultado a auditoria interna passa a ser uma ferramenta essencial no auxílio à alta administração com informações exatas e nos controles contábeis, financeiros, dando real transparência dos atos dos gestores e administradores; assegurar que todos os procedimentos de controles sejam executados; detectar erros e irregularidades; apurar as responsabilidades por eventuais omissões na realização das transações da empresa, bem como a omissão de receitas.

 

ATENÇÃO

 

Conforme a Resolução do CFC (Conselho Federal de Contabilidade) nº. 774/94 que aprovou o apêndice da Resolução 750/93, deve observar:

  1. Princípios fundamentais da contabilidade, ou seja, Princípio Entidade;
  2. Continuidade;
  3. Registro pelo valor Original;
  4. Atualização Monetária;
  5. Competência;
  6. Prudência.

Para isso os auditores externos assumem, por meio do seu parecer, responsabilidade técnica profissional definida, inclusive de ordem pública, é indispensável que tal documento obedeça às características intrínsecas e extrínsecas estabelecidas nas normas de Auditoria.

A revisão contábil é um procedimento de auditoria, o qual compreende o exame de documentos, registros e demonstrações contábeis. Entretanto, deve ser submetido sob o aspecto técnico e aritmético, a fim de descobrir irregularidades, erros ou fraudes, que podem ser feitos tanto por funcionários como por administradores ou gestores. As novas normas internacionais para auditoria podem ser acessadas no site do Instituto: www.ibracon.com.br.

 

Dorival Venciguera é Bacharel em Ciências Contábeis, Pós-Graduado em Controladoria e Gestão Empresarial, Auditor e Perito Judicial das Comarcas de Marília, Pompéia e Garça/SP, Professor Especialista do Curso de Pós-Graduação em “Gestão Paroquial” no IFITEG, Goiânia/GO e Diretor de DV-Assessoria Contábil – Marília/SP.
Site: www.dvassessoria.com
contato – [email protected]

Compartilhe:

Faça um comentário