O coordenador do hospital decidiu desligar os aparelhos da paciente alegando morte cerebral

Uma família está revoltada com o desligamento dos aparelhos que matinha Maria Dionízia Bispo dos Santos, 60 anos, viva e contesta o laudo médico do HGE (Hospital Geral do Estado), na capital baiana.

A aposentada foi internada na unidade médica com AVC (Acidente Vascular Cerebral). Uma semana depois, o coordenador do hospital decidiu desligar os aparelhos da paciente alegando morte cerebral

A notícia do desligamento dos aparelhos causou revolta na funcionária pública, que é amiga da família. Ela disse que conversou com o coordenador médico e ele afirmou que a aposentada apresentava morte cerebral, mas segundo a amiga contesta o laudo
– Eu refutei e refuto. Ela apresenta sinais vitais nítidos, inequívocos.

A neta da aposentada afirmou que a avó não estava morta e que ela estava ouvindo.

Já Manuela Brandão, nora da paciente, conta que pediu para a equipe esperar o marido da mulher e os filhos chegarem.

— Ele disse que não, que tinha que desligar os aparelhos

A Sesab (Secretaria de Saúde do estado da Bahia) confirmou a morte cerebral da paciente e afirmou que mesmo havendo base jurídica do Conselho Federal de Medicina, que afirma ser legal a suspensão dos procedimentos terapêuticos quando determinada a morte cerebral, os profissionais de saúde da unidade, após comunicar o fato a família, buscam um entendimento para suspender os meios artificiais de sustentação das funções vegetativas, que são os aparelhos que mantém os outros órgãos da paciente funcionando.

Por R7

 

Compartilhe:

Faça um comentário