Hoje, 13 de março, faz 5 anos desde que o Arcebispo de Buenos Aires (Argentina), o então Cardeal Jorge Mario Bergoglio, foi eleito Sucessor de São Pedro, tornando-se assim o primeiro Papa latino-americano e jesuíta.

Leia também:
CONASPAR também teve homenagem à mulher em forma de poema
Falta menos de 1 mês para o Seminário de Secretaria Paroquial em Fortaleza

Antes da eleição, os cardeais já tinham concordado que independente de quem fosse eleito, deveria começar uma profunda reforma na Cúria Romana. Nestes anos, Francisco demonstrou ser o Papa para estes tempos e segue chamando a atenção de muitos, dentro e fora da Igreja, por sua simplicidade, desprendimento, audácia e proximidade.

Após um mês de sua eleição, Francisco criou um Conselho para a reforma institucional da cúria, da qual participam 9 cardeais de sua confiança, grupo conhecido como C9.

Uma das tarefas nas quais o Pontífice mais se comprometeu para garantir a transparência financeira do Vaticano é a reforma econômica dos distintos órgãos da Cúria. Criou o Conselho e a Secretaria de Economia.

Nestes anos, o Papa realizou viagens apostólicas à Ásia, América, África e Europa.

Talvez a viagem mais impactante que tenha sido a que realizou às Filipinas e ao Sri Lanka em janeiro de 2015. O Santo Padre celebrou uma Missa em Manila diante de mais de seis milhões de pessoas, um evento que ficará na história como a Eucaristia que reuniu o maior número de pessoas no mundo.

Em abril de 2015, o Santo Padre convocou oficialmente o Jubileu Extraordinário da Misericórdia para que a Igreja colocasse em mais evidência sua missão de ser testemunho da misericórdia e “sejamos misericordiosos como o Pai”.

O Ano Santo começou com a abertura da Porta Santa na Basílica Vaticano durante a Solenidade da Imaculada Conceição, em 8 de dezembro.

No mês de outubro daquele ano, o Papa Francisco participou do Sínodo dos Bispos sobre a Família, uma reunião mundial de representantes da Igreja em todo o todo para debater sobre os diversos desafios atuais da instituição familiar.

Ao término do Sínodo, reafirmou-se a doutrina católica sobre o matrimônio, sua indissolubilidade; e ressaltou-se a beleza da família e do plano de Deus para ela. Também foi falado sobre a situação dos divorciados em nova união.

Em 2016, Papa Francisco realizou em Havana (Cuba) um encontro privado e assinou uma declaração conjunta com o Patriarca ortodoxo Kirill de Moscou e de toda a Rússia. Este encontro foi o primeiro na história entre um Pontífice e o líder dos ortodoxos russos.

No mesmo ano, o Pontífice participou da XXXI Jornada Mundial da Juventude, que aconteceu entre 27 e 31 de julho, em Cracóvia, na Polônia. Foi a segunda JMJ de seu pontificado, depois da realizada no Rio de Janeiro em 2013, onde mais de 3 milhões de jovens celebraram a fé com o Santo Padre.

Também pôde visitar o campo de concentração de Auschwitz, como Bento XVI fez em 2006, e o Santuário Mariano de Czestochowa.

Depois, em um Missa multidudinária celebrada em 4 de setembro na Praça de São Pedro no Vaticano, da qual estima-se que participaram cerca de 120 mil pessoas, o Papa Francisco canonizou Santa Teresa de Calcutá.

Fonte: ACI Digital

Faça um comentário