“Faz sete anos que eu estou nessa caminhada. Eu fiz uma promessa para o nosso senhor Jesus Cristo, porque eu sofria de trombose e hoje, graças a Deus, ele me curou e eu estou nessa caminhada”

BANNER CRUZDesde 2007, o pernambucano Pedro Albuquerque, de 66 anos, carrega uma cruz de 50 kg para pagar uma promessa, passando por 11 estados e o Distrito Federal, em agradecimento à cura de um problema de saúde. Atualmente em Luziânia, no Entorno do DF, o fiel pretende chegar ao Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, em Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia, daqui a dois meses.

“Faz sete anos que eu estou nessa caminhada. Eu fiz uma promessa para o nosso senhor Jesus Cristo, porque eu sofria de trombose e hoje, graças a Deus, ele me curou e eu estou nessa caminhada”, disse o fiel, que deixou Caruaru, sua cidade natal, onde era varredor de rua e morava com três filhos, para agradecer as bênçãos recebidas.

O fiel relata que seu problema de saúde era considerado grave pelos médicos e que ele corria risco de morte. Ao fazer a promessa, disse que não seguiria em linha reta pelas cidades, que seria o caminho mais fácil, e sim passando por 11 estados, além do Distrito Federal. Até hoje, segundo as contas do idoso, ele já percorreu mais de 300 cidades, totalizando 13 mil quilômetros percorridos.

Nos últimos meses, o peregrino faz a jornada de maneira mais lenta devido à idade avançada. “No começo, eu andava de 10 a 12 quilômetros por dia, mas hoje eu já diminuí um pouco mais pela idade. O médico diz para não puxa tanto. Então, estou fazendo cinco quilômetros por dia”, disse.

Junto com sua cruz, o idoso também carrega um pequeno carrinho, que contém uma barraca, uma rede e alguns alimentos. Ao atingir a distância recomendada pelo médico, o fiel procura um lugar às margens da rodovia onde possa se abrigar e descansar até o dia seguinte, quando retoma a caminhada.

Inicialmente, Pedro disse que tinha apenas R$ 200 no bolso quando decidiu começar a jornada. Porém, como o dinheiro acabou poucos dias depois, ele conta com a solidariedade das pessoas por onde passa, doando alimentos e dinheiro para que ele consiga terminar a promessa.

Além de diversas histórias que vai acumulando, o pernambucano também guarda pequenas lembranças das cidades por onde passa. Em sua cruz, carrega diversas fitas e pequenos objetos ganhados dos municípios. Além disso, em cada parada, ele procura a prefeitura, para tentar algum auxílio, além de pedir uma declaração de que ele passou pelo local.

Depois de passar por Luziânia, o idoso diz que vai passar pelo Distrito Federal e, em seguida, se dirigir ao Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, onde deixará a cruz que carrega há sete anos.

Por G1

Compartilhe:

Faça um comentário