Imagem do especial A Primeira Tentação de Cristo | Imagem: a primeira tentação de Cristo

Desembargador da 6ª Câmara Cível do Rio de Janeiro determinou que o filme blasfemo da Netflix fosse proibido.

Desde sua estreia no final do ano passado na plataforma Netflix, o filme “Especial de Natal Porta dos Fundos: A primeira tentação de cristo” tem causado diversas polêmicas.

Além de retratar Jesus como gay, o filme desfigura a imagem de diversos personagens bíblicos, incluindo um Deus mentiroso com quem Maria trai José.

Pedro Affonseca, presidente da Associação Dom Bosco, assinalou que esse tipo de conteúdo é inadmissível em qualquer lugar, em especial no Brasil.

Leia mais:
O milagre da hóstia que se tornou carne e sangue em Buenos Aires

“É um ato que atenta contra Deus, contra os fiéis, contra a fé católica, mas também contra o Brasil, que é um país católico na sua origem”.

Na manhã desta quinta-feira (11) devido a polêmica, o desembargador Benedicto Abicair, da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de janeiro, decretou que o filme deve ser retirado da plataforma.

Caso a Netflix não o faça, será cobrado uma multa de 150 mil reais por dia.

Leia mais:
Papa faz apelo para que Irã e EUA mantenham o diálogo e autocontrole

O desembargador assinala que a liberdade de expressão é primordial e essencial na democracia, mas que há limites.

“Não podem elas servir de desculpa ou respaldo para toda e qualquer manifestação, quando há dúvidas sobre se tratar de crítica, debate ou achincalhe”.

Fonte: ACI Digital

 

 

Compartilhe:

Faça um comentário