Foque nas estratégias de marketing religioso e qualifique ainda mais o serviço oferecido ao seu fiel

Sempre que decidimos utilizar ferramentas de marketing a serviço da Igreja, tentando aplicar recursos, técnicas e somar ações que orientam uma administração eficiente e eficaz, é fundamental observar como as estratégias em marketing permitem auxiliar no quesito Gestão na Igreja.

Entende-se que o marketing parte de dois princípios básicos:
1º. Uma empresa orienta-se para o consumidor no sentido da satisfação de suas necessidades;
2º. O marketing deve participar na tomada de decisões em todas as fases da administração.

Estes princípios ajudam na compreensão do que a paróquia ou instituição religiosa pretende, por perceber que há necessidade de ampliar e qualificar suas ações na comunidade como um todo. Ou seja, pode simplesmente se orientar pelo sentido de “satisfazer” as necessidades dos paroquianos, bem como haver “tomadas de decisão” com mais técnica e organização.

Logo, sugerimos que o administrador, secretários e colaboradores em si pensem em uma visão estratégica utilizando ferramentas de marketing para que ofereçam o melhor para seus fiéis. Este é o sinal para que todos analisem a realidade institucional tanto de maneira administrativa como pastoral. São técnicas que hoje tornam-se campo fértil para contemplar um verdadeiro espírito observacional quanto às necessidades mais urgentes que o administrador consegue registrar e identificar.

Matéria da Revista Paróquias, edição 58. Para ler mais matérias sobre gestão eclesial, assine já: (12) 3311-0665 ou [email protected]

Nesse sentido, pensar em uma visão estratégica por meio da gestão de marketing exige pensarmos também em fatores sistematizados que definem os objetivos a serem atingidos, para que haja integração e efetividade na atividade proposta. Entretanto, Philip Kotler defende que os ideais humanos merecem destaque quando se abre os horizontes para satisfazer suas necessidades, de modo que isso se intensifique por meio da comunicação.

Isso quer dizer que devemos conhecer as reações racionais e emocionais de um determinado grupo de indivíduos (ou de instituição religiosa em nosso caso), como seus hábitos, atitudes, costumes e comportamentos que demonstram suas aspirações, intenções e objetivos. E isto também se aplica na Igreja.

Assim, existem apenas duas formas pelas quais o marketing ajuda a produzir o ajuste entre as questões que podem ser cultivadas na realidade eclesial:
1. Oferecer maior satisfação ao fiel (favorecer o melhor atendimento, a qualificação das abordagens e assuntos a serem tratados, intensificar o relacionamento entre os grupos e movimentos, pastorais, etc);
2. Proporcionar a mesma satisfação pela excelência na acolhida – ‘portas abertas’ (isto significa que há um desenrolar das atitudes, comportamentos, além de contribuir com todas as esferas nas atividades atribuídas na real eclesialidade).

Estas duas análises extraídas do marketing, contemplando e assentando alguns exemplos que se sobrepõem no mercado, são justificadas no sentido de que é possível movimentar a comunidade eclesial, como também os gestores, seja pároco ou secretário (a), para entenderem que certas atribuições auxiliam de maneira que busquem situar a instituição com maior envolvimento e oferecer o melhor para quem está em busca de mais qualidade de ‘serviço’. Então, veja a possibilidade desses breves recursos auxiliarem em seu trabalho ordinário e missão!

Marcelo dos Santos é Diretor Editorial da Revista Paróquias, Pós-Graduado em Comunicação Social, Especialista em Marketing, Bacharel em Filosofia pela PUC-Campinas/SP, Licenciatura Plena em Filosofia e História e Graduado em Teologia. Autor do livro “Sob a luz do Evangelho”, publicado pela Editora A Partilha.

Fonte: Revista Paróquias – Leia e aprenda muito mais sobre Gestão Eclesial – ASSINE JÁ!

Faça um comentário