Texto baseado na mensagem do Papa Francisco por ocasião da XXXI JMJ Cracóvia 2016

MISTÉRIOS GOZOSOS

1. A Anunciação
“Para falar de misericórdia, o Antigo Testamento usa vários termos, sendo os mais significativos hesed e rahamim. O primeiro, aplicado a Deus, expressa a sua fidelidade indefectível à Aliança com o seu povo, que Ele ama e perdoa para sempre. O segundo, rahamim, pode ser traduzido por “entranhas”, evocando de modo especial o ventre materno e fazendo-nos compreender o amor de Deus pelo seu povo como o de uma mãe pelo seu filho.”
Graças ao “fiat” de Maria, a misericórdia manifestada até agora como “hesed” e “rahamin” é encarnada e se faz presente no mundo de um jeito novo e tangível com Cristo e através Dele. Rezemos para que nos deixemos surpreender pela graça de Deus no Ano da Misericórdia e não perguntar: isso é possível? Mas como isso acontecerá, Senhor?

2. A Visita
“Jesus nos apresenta as obras de misericórdia e diz que seremos julgados com base nelas. Por isso, convido-vos a redescobrir as obras de misericórdia corporal (…). E não esqueçamos as obras de misericórdia espiritual. Como vedes, a misericórdia não é bonomia, nem mero sentimentalismo. Aqui está o critério de autenticidade do nosso ser discípulos de Jesus, da nossa credibilidade como cristãos no mundo de hoje.”
Maria foi apressada até Isabel porque queria ajudá-la, serví-la e acompanhá-la. Rezemos para que ao meditarmos e praticarmos as obras de misericórdia nós façamos sempre com amor, com Cristo, que – como no tabernáculo – estava satisfeito por habitar no coração humano.

3. O Nascimento de Jesus
“O Novo Testamento fala-nos da misericórdia divina (eleos) como síntese da obra que Jesus veio realizar no mundo em nome do Pai.”
A maior manifestação da Divina Misericórdia foi realizada graças à mediação da Bem-Aventurada Virgem Maria. Rezemos para que ouvindo a vontade de Deus, permitamos que o Senhor trabalhe
em nós e nos use, particularmente nesse período das preparações para a Jornada Mundial da Juventude. E que também, através de nosso compromisso, possa haver mais Deus no mundo.

4. A Apresentação
“Pier Giorgio era um jovem que compreendera o que significa ter um coração misericordioso, sensível aos mais necessitados. Dava-lhes muito mais do que meras coisas materiais; dava-se a si mesmo, disponibilizava tempo, palavras, capacidade de escuta. Servia os pobres com grande discrição, não se pondo jamais em evidência. Vivia realmente o Evangelho, que diz (…).”
Maria e José foram ao templo para apresentar Jesus, o tesouro deles, ao Supremo Deus. Rezemos por corações puros e santos, para que não poupemos tempo, forças e talentos, mas confiemos nós mesmos a Ele que é misericordioso, e de modo desinteressado possamos servir aqueles a quem Deus nos envia.

5. Encontrando Jesus no Templo
“Tive a certeza de que Deus, na pessoa daquele sacerdote, já estava à minha espera, ainda antes que desse o primeiro passo para ir à igreja. Nós procuramo-Lo, mas Ele antecipa-Se-nos sempre, desde sempre nos procura e encontra-nos primeiro. Talvez algum de vós sinta um peso no coração e pense: Fiz isto, fiz aquilo… Não temais! Ele espera-vos.”
Quando parecer que Jesus está perdido em algum lugar – vamos dar uma boa olhada ao redor. Que não tenhamos medo de perguntar por Ele a parentes ou amigos, pessoas em quem nós confiamos. Rezemos também que em cada circunstância procuremos por ele insistentemente, especialmente na Igreja. Deus está sempre ao nosso lado, somos nós que às vezes O perdemos de vista.

MISTÉRIOS LUMINOSOS

1. O Batismo de Jesus
“Talvez algum de vós se interrogue: Que é este Ano Jubilar celebrado na Igreja? (…)De cinquenta em cinquenta anos, os judeus ouviam ressoar a trombeta (jobel) que os convocava (jobil) para celebrarem um ano santo como tempo de reconciliação (jobal) para todos. Neste período, devia-se recuperar uma relação boa com Deus, com o próximo e com a criação, baseada na gratuidade. Por isso, entre outras coisas, promovia-se o perdão das dívidas, uma particular ajuda a quem caíra na miséria, a melhoria das relações entre as pessoas e a libertação dos escravos.”
O batismo é o início de uma vida nova, é ser imerso em Deus e em Sua misericórdia e está intimamente ligado com a missão. Jesus inicia seu ministério público precisamente a partir do seu batismo no Jordão. Rezemos para que o tempo santo do jubileu se torne pra nós um tempo de reconciliação, e nos ajude a descobrir e assumir a missão que o Senhor confia a cada um de nós.

2. A Festa de Casamento em Canaã
“Encontro muitos jovens que se dizem cansados deste mundo tão dividido, no qual se digladiam partidários de diferentes facções, existem muitas guerras e há até quem use a própria religião como justificação da violência. (…) Quanto desejaria que nos uníssemos todos numa oração coral, saída do mais fundo dos nossos corações, implorando que o Senhor tenha misericórdia de nós e do mundo inteiro!”
Às vezes, as melhores ideias, sonhos, nosso trabalho árduo e esforço desaparecem. Grandes obras requerem grandes sacrifícios, mas às vezes nos deparamos com uma muralha. Rezemos que nós – como Maria – saibamos como mostrar humildemente a Jesus esta situação e que nós fortemente acreditemos que mesmo da maior derrota Ele pode realizar o bem mais inesperado.

3. A Proclamação do Reino e o Chamado Para a Conversão
“Jesus Cristo veio anunciar e realizar o tempo perene da graça do Senhor, levando a boa nova aos pobres, a liberdade aos prisioneiros, a vista aos cegos e a libertação aos oprimidos.”
Proclamar o Evangelho, perdoar, realizar a vontade Dele – quando fazemos essas coisas, nunca estamos sozinhos. Jesus caminha à nossa frente, antecipando nossos passos, preparando o caminho. Rezemos que todos os esforços, os quais fazemos em preparação para a JMJ, acima de tudo, conduza primeiramente nós mesmos para a conversão.

4. A Transfiguração
“A própria Igreja é chamada a oferecer, com abundância, sinais da presença e proximidade de Deus, a despertar nos corações a capacidade de olhar para o essencial.”
Cada um de nós deseja sentir a presença de Deus. Seu amor dentro de nós e entre nós. Precisamos da fé para saber que é precisamente na Igreja, e especificamente no Monte Tabor dos sacramentos, que cada pessoa pode já hoje testemunhar a Sua glória, ouvir a Sua voz e experienciar o poder transformador de Deus.

5. A Instituição da Eucaristia
“No Senhor, que deu a sua vida por nós na cruz, encontraremos sempre o amor incondicional que reconhece a nossa vida como um bem e sempre nos dá a possibilidade de recomeçar.”
Na Eucaristia, a Divina Misericórdia revela a si mesma de uma maneira especial. Celebrando os maiores mistérios da nossa fé, nós tocamos a fonte da misericórdia. Rezemos para que a participação frequente na Santa Missa expanda nossos corações, aumente nossa força e nos permita dar a nós mesmos para nossos próximos.

MISTÉRIOS DOLOROSOS

1. A Agonia no Jardim das Oliveiras
“Temos de suplicar ao Senhor que nos dê a graça de ser misericordiosos com quem nos faz mal. (…) O único caminho para vencer o mal é a misericórdia. A justiça é necessária, e muito! Mas, sozinha, não basta. Justiça e misericórdia devem caminhar juntas.”
Em nossas vidas muitas vezes temos que aceitar o sofrimento e render-nos. Porém, isso não significa que perdemos, pelo contrário – se em obediência a Deus e Seus desígnios nós podemos dizer: seja feita a Sua vontade – nos tornamos participantes no sofrimento de Jesus. Rezemos para que em nossa busca por justiça, nunca esqueçamos que a misericórdia é o seu cumprimento perfeito e algo ainda maior.

2. A Flagelação de Jesus
“Assim, a mensagem da Misericórdia Divina constitui um programa de vida muito concreto e exigente, porque implica obras. E uma das obras de misericórdia mais evidentes, embora talvez das mais difíceis de praticar, é perdoar a quem nos ofendeu, a quem nos fez mal, àqueles que consideramos como inimigos.”
Perdão – embora às vezes pareça estar além das nossas forças – sempre é possível! Se Cristo, mesmo sofrendo inocentemente, perdoou seus perseguidores, quanto mais nós que somos pecadores deveríamos perdoar! Rezemos pela graça de olhar para cada pessoa com os olhos misericordiosos de Jesus.

3. A Coroação de Espinhos
“A misericórdia de Nosso Senhor manifesta-se sobretudo quando Se debruça sobre a miséria humana e demonstra a sua compaixão por quem precisa de compreensão, cura e perdão. Em Jesus, tudo fala de misericórdia. Mais ainda, Ele mesmo é a misericórdia.”
“Eis o homem” – Pilatos disse sobre Jesus. Em Sua grande misericórdia, Deus se identificou com cada um de nós, especialmente quando sofremos, ficamos doentes ou pobres. Rezemos por corações e olhos misericordiosos, pela graça de estarmos próximos àqueles que estão mal.

4. Jesus Carrega a Cruz a Caminho do Calvário
“E tu, caro jovem, cara jovem, já alguma vez sentiste pousar sobre ti este olhar de amor infinito que, para além de todos os teus pecados, limitações e fracassos, continua a confiar em ti e a olhar com esperança para a tua vida? Estás consciente do valor que tens diante de um Deus que, por amor, te deu tudo?”
Em nenhum momento Jesus deixou de amar aqueles que colocaram a cruz sobre os seus ombros e depois o pregaram nela. Rezemos para que, mergulhados na infinita misericórdia de Deus, nós possamos ter misericórdia da miséria da humanidade e da nossa também. Sejamos misericordiosos – conosco e com os outros – assim como Deus é misericordioso.

5. A Crucifixão e Morte de Jesus
“ (…) a cruz é o sinal mais eloquente da misericórdia de Deus. Atesta-nos que a medida do amor de Deus pela humanidade é amar sem medida. Na cruz, podemos tocar a misericórdia de Deus e deixar-nos tocar pela sua própria misericórdia. Gostaria aqui de lembrar o episódio dos dois malfeitores crucificados ao lado de Jesus. (…) Com qual dos dois nos identificamos? Com aquele que é presunçoso e não reconhece os próprios erros? Ou com o outro, que se reconhece necessitado da misericórdia divina e implora-a de todo o coração?”
Aos pés da cruz – temos que ficar em silêncio para contemplar a imensidão do amor, o qual nós não merecemos. Às vezes, quando encaramos nossas próprias fraquezas, podemos apenas clamar pela ajuda de Deus. Que nós tenhamos tanta humildade e esperança assim como o bom ladrão. Deus está esperando para nos dar tudo.

MISTÉRIOS GLORIOSOS

1. A Ressurreição
“Nomeadamente este Ano Santo da Misericórdia “é o tempo para a Igreja reencontrar o sentido da missão que o Senhor lhe confiou no dia de Páscoa: ser instrumento da misericórdia do Pai.”
Nas feridas do Ressuscitado, as quais podem ser vistas claramente na imagem com as palavras “Jesus, Eu Confio em Vós”, é onde nosso bem verdadeiramente reside. Isso significa que nós também, por causa do poder de Sua Ressurreição, podemos ser instrumentos de paz, testemunhas da misericórdia, proclamadores da vida plena, eterna e gratuita.

2. A Ascensão
“Levai a chama do amor misericordioso de Cristo – de que falava São João Paulo II – aos ambientes da vossa vida diária e até aos confins da terra. Nesta missão, acompanho-vos com os meus votos de todo o bem e as minhas orações.”
A missão dos discípulos de Cristo nunca é um fardo. A pessoa que confiar sua vida a Ele e clamar por Ele receberá muito mais do que pediu ou esperava receber. Rezemos pela coragem de poder cumprir as obras que o Senhor nos confia para sermos mais felizes e satisfeitos.

3. A Descida do Espírito Santo
“Queridos jovens, Jesus misericordioso, representado na imagem venerada pelo povo de Deus no santuário de Cracóvia a Ele dedicado, espera-vos. Fia-Se de vós e conta convosco. Tem muitas coisas importantes a dizer a cada um e a cada uma de vós… Não tenhais medo de fixar os seus olhos cheios de amor infinito por vós e deixai-vos alcançar pelo seu olhar misericordioso, pronto a perdoar todos os vossos pecados, um olhar capaz de mudar a vossa vida e curar as feridas da vossa alma, um olhar que sacia a sede profunda que habita nos vossos corações jovens: sede de amor, de paz, de alegria e de verdadeira felicidade.”
Enquanto esperamos pela JMJ, por este tempo de graça, vamos fielmente ouvir a voz do Espírito Santo, que todas as nossas preparações sejam efeito de Sua inspiração. Nesta caminhada, guiados pelo Espírito de Jesus, nós iremos certamente experienciar misericórdia, e na comunidade da Igreja, nós encontraremos aquilo o que desejam os nossos corações.

4. A Assunção de Nossa Senhora
“Sabemos que o Senhor nos amou primeiro. Mas só seremos verdadeiramente bem-aventurados, felizes, se entrarmos na lógica divina do dom, do amor gratuito, se descobrirmos que Deus nos amou infinitamente para nos tornar capazes de amar como Ele, sem medida.”
Para aprender a receber e demonstrar misericórdia, olhemos para Maria. Ela não precisava de perdão, mas sendo a “co-redentora” ela ajudou Cristo ao apresentar para o mundo o grande dom da misericórdia. Rezemos para que refletindo sobre o mistério de Sua vida e de Seu Filho, nós desejemos espalhar o Reino de Deus na terra.

5. A Coroação da Bem-Aventurada Virgem Maria
“Sempre me apraz associar as Bem-aventuranças evangélicas com o capítulo 25 de Mateus (…).”
Quando nós tentamos ser guiados pelos ensinamentos de Jesus em nossa vida cotidiana, vamos pedir ajuda para a Mãe da Misericórdia. É ela que “através de sua caridade materna cuida dos irmãos de seu Filho que entre perigos e angústias, caminham ainda na terra até chegarem à Pátria bem-aventurada” (Dives in misericorida, 9).

Fonte: JMJ

Compartilhe:

Faça um comentário