Meriam Ibrahim, a jovem mãe cristã cuja pena de morte foi cancelada ontem, voltou a ser presa contou ao canal americano CNN o seu advogado nesta terça-feira, 24.

Meriam Ibrahim, de 27 anos, e seu marido Daniel Wani foram detidos nesta terça-feira 24 em um aeroporto da capital do Sudão quando tentavam deixar país e estão sendo interrogados na sede do organismo de segurança nacional do país, indicaram os advogados do casal.

No momento não se sabe os detalhes nem o motivo da detenção e torna a ser incerta a situação da mãe cristã e de sua família.

Meriam, de 27 anos, tinha sido condenada à morte após ser acusada de renunciar ao Islã por três pessoas que fraudulentamente asseguraram ser seus irmãos e sua mãe. A jovem assegura ser cristã e ter sido criada como tal por sua verdadeira e falecida mãe, depois que seu pai, que era muçulmano, as abandonasse quando ela tinha apenas 6 anos.

As autoridades islâmicas a condenaram também a 100 chicotadas pelo delito de adultério, pois seu matrimônio com o Daniel Wani não é reconhecido como tal sob a lei muçulmana.

Depois de ser advertida por um religioso muçulmano do perigo para sua vida e considerar converter-se ao Islã, Meriam assegurou: “sou cristã e seguirei sendo cristã”.

Em uma das visitas que Daniel realizou à a prisão, Meriam lhe disse que “me recuso a mudar (de religião). Não vou renunciar ao cristianismo só para que possa viver. Sei que poderia seguir viva me convertendo em muçulmana e seria capaz de velar por nossa família, mas preciso ser honesta comigo mesma”.

Através da plataforma CitizenGO, impulsionou-se uma campanha exigindo a liberação de Meriam na qual foram reunidades mais de 304 mil assinaturas. Fontes da plataforma informaram também a ACI Digital que acompanham atentamente o desenvolvimento dos eventos no Sudão e seguirão atuando para obter a libertação incondicional da jovem cristã e sua família.

Fonte: ACI

Compartilhe:

Faça um comentário