Música “Direito de Nascer”: confira novo clipe pró-vida com 25 artistas brasileiros
Foto: ArtePiedosa.com

Nomes como a cantora pró-vida Elba Ramalho participam do projeto sobre um tema extremante delicado: o valor da vida diante do aborto


AArte Piedosa é uma empresa de desenhos animados focados em temas religiosos. Seus artistas católicos acabam de produzir um clipe em animação da música “Direito de Nascer“, do projeto Juntos pela Vida.

Composta pelo grupo Expresso HG em parceria com Tiba Camargos, a canção foi gravada com a participação de 25 artistas, entre os quais Ricardo Sá, Eliana Ribeiro, Padre Joãozinho, Ziza Fernandes, Dunga, Eros Biondini, Eugenio Jorge, Salette Ferreira e Elba Ramalho, que conquistou grande apreço dos católicos brasileiros por se posicionar publicamente a favor da vida e contra o aborto e por testemunhar abertamente a sua conversão e retorno à prática do catolicismo que havia abandonado.

Veja também:
Padre Reginaldo Manzotti e Michel Teló cantam “Um Jantar Pra Jesus”
Ouça a música “Santo Sopro” da banda ID2

“Direito de Nascer” foi lançada em 2015 e teve grande repercussão no meio católico através da TV Canção Nova, alcançando milhões de pessoas e ganhando até versões internacionais. A música trata de um tema extremante delicado: o valor da vida diante do aborto.

Como estúdio de animação abertamente católico, a Arte Piedosa divulgou comunicado de imprensa em que declara que “não poderia ficar de fora da defesa da vida”, defendendo a sua preservação desde a concepção.

Emerson José, um dos profissionais do estúdio, afirma:

“Permitir o aborto é um ato contra a vida e contra as ordens de Deus. Ninguém pode violar o direito de alguém de nascer. Ficamos muito honrados quando surgiu a oportunidade de fazermos um clipe com esta bela canção. As crianças, antes de serem projetos de homens e mulheres, são planos e sonhos de Deus”.

Sobre a nova animação, que tem o objetivo de “despertar a consciência sobre o valor da vida em todos os seus momentos”, ele acrescenta:

“Esta animação quer se posicionar contra essa cultura da morte que passou a considerar algumas condições humanas como descartáveis. Não achamos que seja possível discutir e decidir sobre o direito de nascer de alguém. Precisamos tirar a sociedade dessa loucura para não chegarmos a um grau irreversível”.

Assista ao clipe

Fonte: Aleteia

Faça um comentário