'Não neguemos o pão e o coração para ninguém', diz padre Júlio Lancellotti após críticas por distribuir comida na Cracolândia

Deputada Janaína Paschoal (PSL) disse nas redes sociais que ‘a distribuição de alimentos na Cracolândia só ajuda o crime’ e recebeu críticas dos internautas, gerando uma campanha de ajuda e transferência de recursos para a Pastoral do Povo de Rua de São Paulo.

O padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua de São Paulo, publicou nesta segunda-feira (9) um vídeo nas redes sociais agradecendo ao apoio que tem recebido após ter sido criticado pela deputada estadual Janaína Paschoal (PSL) por distribuir comida às pessoas em situação de rua no Centro da capital paulista, na região da Cracolândia.

Segundo o padre, o trabalho da Pastoral do Povo de Rua não é só distribuir comida, mas zelar pelos “marginalizados, descartados, excluídos” da cidade.

“O nosso objetivo principal não é distribuir comida, mas é ser alimento, força e esperança para aqueles que estão esquecidos, marginalizados, descartados, excluídos. Sejamos irmãos de todos. Não neguemos nem o pão, nem o coração para ninguém”, disse Lancellotti.

 

 

Após as críticas da deputada estadual, internautas se mobilizaram nas redes sociais em um movimento de ajuda ao trabalho da Pastoral do Povo de Rua, fazendo um “pixaço” (transferência bancária) em favor do trabalho do padre Júlio.

O “pixaço” é um campanha bem humorada de transferência de dinheiro por meio do Pix para a continuidade do trabalho da Pastoral do Povo de Rua. O lema da campanha é “Deixe a Janaína mais pistola. Faça um Pix para o Padre Júlio”.

O G1 procurou a deputada Janaína Paschoal que, por meio de nota, disse que “as pessoas têm liberdade para doar e colaborar com quem e com as causas que bem entenderem”.

O pároco da Igreja São Miguel Arcanjo, da Mooca, agradeceu o movimento de ajuda à Pastoral.

“Queria agradece a todos que têm manifestado sua solidariedade e colaboração com o trabalho e a ação da Pastoral de Rua de São Paulo e com todos os grupos religiosos ou não religiosos, que buscam, sobretudo, serem humanizadores da vida, indo ao encontro daqueles que ninguém quer”, disse Júlio Lancellotti nas redes sociais.

Leia mais:
Ricardo e Eliana Sá lançam aplicativo de encontro e formação para ajudar solteiros cristãos

Alesp

O presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), deputado Emídio de Souza (PT) também afirmou nesta segunda (9) que vai propor a realização de uma audiência pública na Comissão para discutir o assunto da doação de alimentos e outros itens à população em situação de rua em São Paulo.

A proposição decorre por causa da polêmica envolvendo a deputada Janaina Paschoal (PSL). De acordo com o deputado, “o objetivo é debater o assunto e tentar encontrar soluções”.

Padre Júlio será convidado. Além dele, serão chamados representantes do governo do estado e da prefeitura, segundo Emídio de Souza.

Por ser parlamentar, Janaina Paschoal tem acesso livre às reuniões da Comissão. Ela não é membro dessa comissão.

Críticas

Durante o fim de semana, a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) fez publicações nas redes sociais criticando o padre Júlio Lancellotti e a Pastoral do Povo da Rua de São Paulo por distribuir comida às pessoas em situação de rua no Centro da capital paulista, na região da Cracolândia.

“A distribuição de alimentos na Cracolândia só ajuda o crime”, escreveu no último sábado (7). Ela disse ainda que “o padre e os voluntários ajudariam se convencessem seus assistidos a se tratarem e irem para os abrigos”, afirmou ela no Twitter.

O post foi feito após o padre afirmar que a Polícia Militar intimidou agentes da pastoral no bairro da Luz, no Centro de São Paulo, para não entregarem comida aos moradores de rua. (Veja nota da Secretaria de Segurança Pública no final da reportagem).

Com informações de G1
Compartilhe:

Faça um comentário