Exorcismo de Emily Rose fotografias

A história por trás da produção cinematográfica “O exorcismo de Emily Rose” é muito mais assustadora do que se viu nas telas. Emily é inspirada em Anneliese Michel, uma jovem alemã comum, corpo de uma família tradicionalmente católica.

De rosto tranquilo e bom comportamento, Emily era querida por toda família e vizinhança. Sua mudança repentina comportamento, porém, passa a assustar todos.

Leia também:
São Tomás de Aquino revela os truques do diabo contra homens
Iemanjá não faz parte da comunhão dos santos católicos!

O processo de mudança de Anneliese foi profundo, fato que inspirou compreensivelmente o filme. Trouxemos o fatos importantes a cerca de sua verdadeira história. Contaremos e ilustraremos todo o desenrolar de sua trajetória até a morte. Acompanhe:

1. Foi aos 16 anos de idade que tudo começou.

Apesar de não ser muito assídua aos encontros dos fiéis na Igreja Católica, a jovem comparecia ao templo duas vezes na semana. Aos 16 anos de idade, portanto, ela diminuiu ainda mais usas visitas ao ser diagnosticada com epilepsia.

2. O problema se agravava

Aos 20 anos, a jovem, combalida pela doença, entrou em um grave estado depressivo. Associado a isso, ela passou a relatar som de vozes em sua cabeça. Neste estado, com um forte comprometimento psicológico, ela cria uma grande aversão a símbolos cristãos.

3. Ela é hospitalizada.

Diante de sua situação, a família recorre à internação da moça. Crentes de que o problema da moça teria cunho espiritual, decidiram abandonar o tratamento médico e recorreram à fé cristã, buscando ajuda para o mal da moça.

4. A igreja duvidava que fosse possessão

A família de Anneliese, acreditando piamente que ela estivesse sob influência de demônios, recorreram á igreja em busca de ajuda. O corpo eclesiástico alertou para a necessidade de levar a moça para receber cuidados médicos, mas não foi ouvido.

5. A família recebe apoio de reverendos.

Dois reverendos se propõem a ajudar a família. Quando o caso da moça chega a um grau avançado, ele decidem pelo primeiro exorcismo.

6. Passou a ser acorrentada

Para evitar que ela causasse alguma mal a si mesma e aos de casa, ela passou a ficar acorrentada grande parte de seu tempo. Durante as sessões de exorcismo, ela era privada de água e alimentos. Progressivamente, a própria moça rejeitava qualquer tipo de alimento ou bebida.

7. Hábitos doentios

Diante do agravamento de seu quadro, ela passou a se alimentar de insetos e a beber sua urina. Em alguns momentos ela chegava a causar ferimentos em si mesma para consumir seu sangue.

8. Sessões semanais

Sem tratamento médico, a situação da moça se agravava e ela estava cada vez mais debilitada. Passou a receber sessões semanais de exorcismos, foram 67 ao total.

9. Perda de peso e debilitação extrema

A mulher chegou a perder muito peso devido a alimentação precária e a falta de tratamento. Ela faleceu aos 23 anos de idade, pesando 30 quilos.

10. Negligência?

Questiona-se até hoje se houve negligência por parte de sua família. A falta de tratamento pode ter sido fator determinante para o falecimento precoce da moça. Depois que o caso ficou conhecido, passou-se a limitar os poderes eclesiásticos na Alemanha. Os reverendos envolvidos no caso foram condenados a 3 anos de condicional. A corte entendeu que os pais e familiares não precisariam ser condenados, tendo em vista todo o sofrimento ao qual já haviam sido submetidos.

Fonte: Virgulistas

Faça um comentário