Dom Oneres Marchiori é Bispo Emérito da Diocesano de Lages – SC e antes de tornar-se bispo trilhou uma trajetória de envolvimento com diferentes realidades da Igreja, como as pastorais e a formação de seminaristas. Diante de sua experiência, fala sobre sua visão a respeito dos desafios da gestão eclesial.

ADMINISTRAÇÃO ECLESIAL
A Paróquia não é uma empresa, contudo, um controle rígido das finanças, procurando a organização, observando fielmente a legislação civil e canônica, devem ser uma preocupação sempre presente.

CAPTAÇÃO DE RECURSOS
Depende muito do local e da realidade paroquial. O Dízimo bem organizado é fundamental. Ele deve ser entendido como participação na vida comunitária, como comunhão, como manutenção da Comunidade de irmãos e irmãs que vivem as práticas da partilha. Quando entendemos o Dízimo desta forma, somos profetas em uma sociedade que só pensa em ter e leva uma vida egoísta e individualista. Acreditamos na participação da comunidade, onde trabalhamos juntos para viver em abundância (Jo. 10,10). A partilha do que somos, temos e fazemos faz o Dízimo. Assim, o Planejamento do Orçamento Comunitário, a prestação de contas de tudo aquilo que é realizado na Comunidade, torna-se uma exigência comunitária.

GESTÃO DE PESSOAS
Hoje, não se pode mais trabalhar sozinho. Uma boa equipe bem preparada, unida, que vive sua vocação batismal, muito contribuirá para um frutuoso trabalho pastoral. Pároco que não sabe organizar sua equipe de trabalho, que não consegue trabalhar em comunhão com as diversas lideranças existentes na paróquia, certamente, não terá êxito na evangelização. Considero indispensável um bom relacionamento com a comunidade paroquial.

GESTÃO DE PATRIMÔNIO
Todas as paróquias – e também as dioceses – devem ter patrimônio que contribua para sustentar a ação pastoral. Isto não significa ter grandes patrimônios. Basta o suficiente para que haja o necessário para o trabalho, para o atendimento aos necessitados, para contribuir com a manutenção da diocese. Cada Conselho Paroquial de Pastoral deve ter um membro responsável pelo patrimônio paroquial. Como membro do Conselho, esta pessoa informará os demais Conselheiros sobre a situação patrimonial da Paróquia.

CATEQUESE
A Catequese é fundamental em qualquer Paróquia. Deve ser bem organizada, com catequistas bem preparados, com material catequético adequado. Não se pode esquecer que os primeiros catequistas são os pais e que o Pároco é o primeiro responsável por este trabalho.

PLANO PASTORAL
Sabemos que em uma Comunidade Paroquial são inúmeras as pastorais. Um bom Plano de Pastoral, elaborado com a participação das lideranças, assumido após um sério estudo por parte de todos, que tenha a orientação das Diretrizes Diocesanas, muito contribuirá para que se consiga bons resultados na evangelização. O Plano será o denominador comum para tudo o que se fizer na Paróquia.

ACOLHIDA
Saber acolher bem a todos é um segredo para o êxito. Quando se sabe acolher, com carinho e respeito, certamente nossas comunidades tornar-se-ão uma “casa de comunhão”.

PROMOÇÃO DE EVENTOS
Os eventos fazem parte da vida paroquial. É preciso estar atentos a isto. Sem cair no exagero, é bom organizar alguns momentos que servirão para promover a partilha, a comunhão, o conhecimento mútuo.

SUGESTÃO FINAL
Lembremo-nos de que somos pastores. “O bom pastor dá a vida por suas ovelhas” (Jo 10,11).  A caridade pastoral sempre será uma atitude, um modo de ser, um compromisso vocacional. Isto acontecerá quando caminharmos juntos, quando nos alegrarmos com as alegrias de nosso “rebanho”, quando sofrermos com suas dores, quando demos o testemunho por uma vida doada generosamente. Que o Bom Pastor nos abençoe!

EXCLUSIVO – REVISTA PARÓQUIAS & CASAS RELIGIOSAS
ASSINE: [email protected]
Compartilhe:

Faça um comentário