O Sagrado Coração de Jesus foi atingido pela lança do soldado?
Foto: Divulgação

O Evangelho não o diz claramente, mas dá indícios sobre a resposta.

Será que o Sagrado Coração de Jesus foi atingido pela lança do soldado que transpassou o Seu lado no Calvário?

Uma resposta a esta pergunta é dada pelo pe. Fernando Piazza na sua obra “Eu reinarei – A devoção ao Sagrado Coração de Jesus no seu desenvolvimento histórico”, publicada em 1932. Diz ele:

Veja também:
Os 2 erros mais comuns cometidos por aqueles que rezam o rosário
O que são os 7 sacramentos da Igreja Católica? Veja aqui

O Evangelho nos fala da abertura do lado, mas não nos diz se a lança feriu diretamente o Divino Coração de Jesus. Nós podemos afirmar que sim, com argumentos de razão e de autoridade.

O soldado fere o lado de Jesus para certificar-se de que o Salvador estava realmente morto, e, caso não estivesse, acabar com a vítima. E para conseguir seu fim, era preciso ferir o Coração. A lançada é dada com grande violência, não se podendo supor que a lança parasse na superfície sem penetrar o peito e encontrar o Coração. A ferida é larga e profunda. Esta asserção é confirmada por Nosso Senhor ressuscitado, quando diz ao Apóstolo incrédulo: “Põe tua mão na chaga do meu lado”; ao passo que , quando Ele o convida a certificar-se das outras chagas, fala desta maneira: “Põe aqui o teu dedo”.

Jesus Cristo quis derramar todo o seu preciosíssimo sangue pela nossa redenção; não quis poupar uma só gota. Por isso quis que seu Coração fosse aberto pela lança, a fim de que saíssem da chaga algumas gotas que estavam no Coração quando cessou de pulsar pela morte.

A Igreja, na liturgia da festa do Sagrado Coração de Jesus, exprimindo o pensamento da tradição, nos oferece a contemplação deste Coração aberto transpassado pela lança.

“A caridade te quer aberto com a chaga visível para que pela chaga visível pudéssemos honrar a ferida do amor invisível” (Laudes).

_________

Pe. Fernando Piazza, em “Eu reinarei – A devoção ao Sagrado Coração de Jesus no seu desenvolvimento histórico”, 1932.

Fonte: Aleteia

Faça um comentário