Padre Ezequiel Dal Pozzo divulga sua nova música lançada durante a pandemia

A música “É o Recomeço” surgiu com a reflexão de que o vírus nos faria repensar a vida e nosso jeito de viver

Padre Ezequiel Dal Pozzo, ordenado sacerdote há 14 anos, pertence a Diocese de Caxias do Sul, RS. Trabalha com a comunicação, fala para mais de 600 rádios diariamente e possui programas semanais de TV, na TV Evangelizar e TV Pai Eterno. Além disso, possui artigos em muitos jornais e um alcance expressivo através das redes sociais.

O que o fez alcançar todos esses meios foi a música. Ao todo são muitas músicas gravadas, em áudio e vídeos, composições próprias, regravações e versões, que estão se espalhando pelas rádios, TVs e redes sociais.

 

Em entrevista ao Portal Catholicus, Padre Ezequiel afirma:

“Penso que a nossa obra na música vai se fortalecer sempre mais. Sempre procurei fazer um trabalho de qualidade, dentro do melhor que podemos, para fazer com que a música expresse as buscas, sentimentos e necessidades das pessoas. A música tem um poder muito grande de tocar corações, inspirar atitudes e colocar as pessoas num caminho de busca de crescimento.

Eu acredito na evolução do ser humano, acredito que podemos ser melhores a cada dia e precisamos utilizar todo conhecimento possível para isso. Hoje, tudo está em nossa mão, pela facilidade de acesso a conteúdo, e com ajuda de outras pessoas podemos crescer muito em nossa humanidade e qualidade de vida. E creio que a música, ajuda a colocar a pessoa nesse processo de evolução.”

2- Com a pandemia, o senhor lançou a música: É O RECOMEÇO. Qual a intenção com essa música?

“Essa música surgiu nos primeiros dias da chegada do vírus no Brasil. Ali o medo tomou conta de todos. Todos, por medo e por necessidade, decidiram ficar parados, em casa. O vírus nos fazia pensar e repensar a vida. Foi bem no início de março de 2020. Aí surgiu uma música com esse título, já compreendendo que o vírus nos faria repensar a vida e nosso jeito de viver.

O invisível nos colocava todos na mesma condição, independente de condição social, religião, partido ou qualquer outra possibilidade de distinção. Humanos é o que somos, todos iguais e todos necessitados uns dos outros. Essa parecia ser a mensagem do vírus. Por isso, que a música diz: “De repente o mundo para… o invisível me declara, somente humano és também”.

Então, a intenção da música é fazer as pessoas perceberem de fato o humano que há em todos e que iguala a todos. Sendo assim, “É o Recomeço” não seria só pra dizer que o vírus nos obriga a recomeçar, mas que ele nos faz pensar na importância de recomeçar com outro jeito, outro comportamento e uma visão mais humana da vida, buscando o essencial.”

Leia mais:
“Menos eu, mais de Deus” é o novo lançamento do Ministério Renova

3- O senhor pensa que a música alcançou o objetivo de passar essa mensagem?

Penso que sim, muito embora, o autor faz a música e a entrega para o povo. Cada pessoa que a escuta vai acolhê-la de um jeito. O fato é que ela contém uma mensagem significativa e sempre vai servir a alguém. Claro, também vale dizer, que, como é uma música de consciência e existencial, vai agradar a um tipo de público e não a outro.

4- Quais são as expectativas que essa canção traz para seu ministério?

“A minha vida de padre é chamada a servir pessoas. Eu acredito que sirvo na medida que anuncio. As pessoas estão mais estressadas, mais ansiosas e preocupadas, muitas perto de desenvolver doenças, por causa da pressão emocional que gera esse tempo.

Por isso, uma música tem a sua relevância na medida que pode amenizar, aliviar o fardo e ajudar a pensar perspectivas. O valor de cada coisa está de acordo com aquilo que isso proporciona de vida e crescimento para cada um. Eu acredito que essa música, com todas as outras que fiz e gravei, juntamente com a palavra que digo, tudo junto, ajuda várias pessoas. Por isso, não avalio uma obra apenas, mas o conjunto daquilo que fazemos. E a nossa vida, sempre será assim, isto é, uma composição de muitas coisas, que queremos, que sejam úteis aos outros e também nos façam felizes.”

Ouça:

Por Redação Catholicus
Compartilhe:

Faça um comentário