Padre responde: existe momento certo para a homilia na Santa Missa?
Foto: Divulgação

E ela é ou não é obrigatória?

O pe. Cido Pereira costuma responder a diversas perguntas enviadas pelos leitores do jornal O São Paulo, da arquidiocese paulistana. Em sua coluna de 22 de março de 2017, ele tocou numa dúvida apresentada com grande frequência também por leitores de Aleteia: o que é correto e o que é incorreto durante o rito da Santa Missa.

Em particular, o sacerdote responde, neste caso, sobre o momento certo em que deve ocorrer a homilia. Eis a resposta do pe. Cido:

A Marcela não me disse seu sobrenome. Ela quer saber: Existe um momento certo na missa para que os padres façam a homilia para os fiéis? Essa reflexão é ou não obrigatória?

Veja também:
Craque Mbappé doa dinheiro para encontrar corpo de piloto desaparecido
Encontram 40 hóstias intactas na igreja destruída por terremoto

Marcela, o momento exato da homilia é imediatamente após a leitura do Evangelho. No passado, a homilia parecia não ser obrigatória, pois o celebrante já partia imediatamente para a Liturgia Eucarística. A homilia, porém, é uma oportunidade ímpar para a evangelização. Podemos defini-la como uma conversa íntima do pastor com seu rebanho, do padre com sua comunidade onde ele ajuda os fiéis a compreenderem a Palavra de Deus e iluminar a própria vida com ela.

Farei uma confissão a você: em meus 45 anos de sacerdócio, jamais deixei de fazer a homilia, não importando o número dos fiéis que participavam da missa. É bom para os fiéis, é bom para mim. Hoje, quando a Igreja nos fala de si como casa da Palavra de Deus, soa estranho ouvir que ainda haja sacerdotes que passem da leitura do Evangelho para o ofertório. Repito: é uma oportunidade que se perde para evangelizar.

Nosso povo hoje cresceu na compreensão da importância da Palavra de Deus, e isto é um fruto muito bonito do Vaticano II. Deus permita que nossos padres todos preparem bem a sua homilia e falem a seus fiéis colocando-se também eles como ouvintes da Palavra. Não há necessidade de se prolongar na reflexão. Há necessidade, porém, de falar ao coração do povo, mostrando que, em Jesus Cristo, o Pai preocupou-se e preocupa-se conosco e não desiste de nós. Deixo a você o meu abraço carinhoso e fraterno. Fique com Deus.

Fonte: Aleteia
Compartilhe:

Faça um comentário