O Papa lavará os pés de 12 detentos, seis mulheres e seis homens

 

O complexo penitenciário de Rebibbia, na periferia leste de Roma, foi o local escolhido para a Missa da Ceia do Senhor, presidida pelo Papa Francisco. Esta celebração, com o rito do Lava-pés, abre o Tríduo Pascal.

Não é a primeira vez que o Pontífice celebra esta Missa no cárcere. Em 2013, pouco tempo depois de ser eleito, a prisão para menores de Casal del Marmo recebeu Francisco. No ano passado, foi a vez do Centro Santa Maria da Providência, que acolhe enfermos. Desta vez, o Papa lavará os pés de 12 detentos, seis mulheres e seis homens, dos quais um é brasileiro.

Na Igreja do Pai-Nosso dentro do complexo penitenciário, o Pontífice se encontrará também com 150 mulheres detentas, das quais 15 mães com seus filhos.

No capítulo 13 do Evangelho de João, narra-se este gesto simples de Jesus, que antes de entregar a sua vida lava os pés dos discípulos para mostrar a eles que quem celebra a Eucaristia tem que se colocar a serviço, e a serviço de modo humilde, a serviços dos humildes.

É o que faz o Papa Francisco lavando os pés a mulheres e homens detentos. Sobre o significado deste gesto, o Programa Brasileiro entrevistou a Ir. Petra Pfaller, vice-coordenadora da Pastoral Carcerária no Brasil, que define os cárceres como os “porões” da humanidade.

Por Rádio Vaticano

Compartilhe:

Faça um comentário