Papa Francisco: A alegria e a beleza de ser santo

No dia da Solenidade de São José, 19 de março de 2018, o Papa Francisco fez divulgação a uma nova Exortação Apostólica, denominada Gaudete et Exsultate, sobre a chamada à santidade no mundo atual. O primeiro dos cinco capítulos situa o chamado a ser santo na vida corrente e corriqueira do dia a dia, pois os santos são nossos amigos e estão à porta, mostrando a beleza e a felicidade de encontrar em Cristo nossa missão, que nos faz viver em plenitude, nos humaniza por inteiro.

No segundo capítulo, o Papa nos alerta contra dois inimigos sutis da santidade, o gnosticismo atual, doutrina mentalista, que propõe uma religião sem Deus e sem carne, esvaziamos o mistério do Deus Conosco. A outra doutrina, igualmente falsa e mundana, é o pelagianismo atual que leva a uma vontade sem humildade e uma postura narcisista de autocomplacência.

Leia também:
Incrível: Pai e filho serão ordenados sacerdotes nos Estados Unidos
Hóstias consagradas são profanadas durante assalto em igreja católica

No capítulo III, “À Luz do Mestre”, somos convidados a viver na contracorrente do caminho das bem-aventuranças, espelho da Vida de Jesus, de comunhão plena com o Pai, e de uma doação total aos irmãos, que tem como regra de comportamento e padrão de qualidade a parábola do juízo final (Mt 25, 31-46). Quem não encontra Cristo no irmão pode desviar-se e cometer dois erros nocivos: um cristianismo imanentista e genérico (sem Cristo) e um cristianismo sem amor fraterno, de quem vive suspeitando do compromisso social dos outros, considerando-o superficial, secularizado, comunista ou populista (GE 101).

No capítulo IV, apresenta algumas características da Santidade no mundo atual, discorrendo sobre a suportação, paciência e mansidão que nos formam na não violência e na firmeza interior, que não cede à agressividade e ao julgamento dos outros. Ainda a alegria, o sentido do humor, a ousadia (Espírito de paresia) e ardor, vivendo em comunidade e oração constante. Finalmente, o capítulo V considera a santidade como uma luta permanente, que exige vigilância e combate espiritual contra algo que é mais do que um mito, o Maligno.

Temos a necessidade de ficarmos despertos e confiantes e praticar o discernimento com a ajuda do Espírito Santo, sempre andando na Luz do Senhor, na escuta constante e na lógica do Dom e da Cruz. Que o Senhor nos dê um desejo intenso e incessante de santidade. Deus seja louvado!

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo de Campos/RJ

Leve o RECIPAR – Seminário de Secretaria Paroquial para sua paróquia

Faça um comentário