Papa Francisco ‘está muito sozinho’ na luta contra abusos, diz vítima chilena
Foto: Divulgação

Francisco empreendeu uma cruzada contra abusos sexuais em todo o mundo

O papa Francisco “está muito sozinho” e sua luta para erradicar os abusos sexuais na Igreja, afirmou uma das vítimas chilenas que ajudou a revelar as práticas de abusos no clero local.

O jornalista Juan Carlos Cruz, o filósofo José Andrés Murillo e o médico James Hamilton denunciaram, há oito anos, os abusos do influente sacerdote católico Fernando Karadima, condenado em 2011 pelo Vaticano pelo abuso sexual de menores.

Mas, em 2018 – após uma visita do papa Francisco ao país em janeiro -, anunciou-se o fim da chamada “cultura de abusos” da Igreja chilena, que resultou na demissão de sete bispos, na expulsão do sacerdócio de outros dois bispos eméritos e dos sacerdotes Fernando Karadima e Cristián Precht.

Veja também:
Papa: é um escândalo ir à igreja e odiar os outros
Confira a agenda do Papa para 2019

Francisco pediu perdão publicamente pelos abusos cometidos pela Igreja chilena, convocou de urgência a Roma toda a Conferência Episcopal e recebeu no Vaticano os três denunciantes do caso Karadima.

“Nós não podemos ser a exceção; isso tem que a norma do comportamento do papa e da hierarquia da Igreja em geral com as vítimas”, afirmou Cruz em um encontro nesta quarta-feira com jornalistas de veículos estrangeiros em Santiago. Ele, Hamilton e Murillo foram escolhidos como “Personagens do ano 2018” no Chile pela revolução que suas denúncias provocaram na Igreja local.

“Acho que o papa está tentando de todo coração (fazer mais mudanças). Contudo, acho que não com a rapidez que a gravidade dos fatos requer”, acrescentou Cruz, referindo-se a temas ainda pendentes, como o esperado afastado do atual arcebispo de Santiago, o cardeal Ricardo Ezzati, condenado pela Justiça pelo crime de acobertamento de abuso sexual.

As denúncias de abuso sexual tiveram forte impacto no país . Uma pesquisa recente revelou que o número de chilenos de declaram professar a religião católica caiu em 14 pontos, a 55% da população.

Solidão do papa 

Motivado pelo caso do Chile, Francisco empreendeu uma cruzada contra abusos sexuais em todo o mundo. Na sexta-feira, o pontífice prometeu não deixar essas “abominações” impunes na Igreja.

Entretanto, o pontífice encontrou muitos obstáculos nesta tarefa, segundo Cruz. “Me impressionou a quantidade de gente que rema contra o papa em seu entorno, e isso é tremendo e doloroso (…) O papa está muito sozinho”, garante o jornalista, que forjou uma relação próxima do pontífice argentino.

O papa convocou ao Vaticano no fim de fevereiro os presidentes das conferências episcopais de todo o mundo para uma cúpula sobre a “proteção aos menores”. Para se prepararem, os participantes terão que se reunir com vítimas de abusos sexuais cometidas por membros do clero em seus respectivos países.

Fonte: Aleteia

Faça um comentário