Papa Francisco: Jesus chamou um corrupto para ser seu apóstolo – e ele virou santo
Foto: Divulgação

“Se você quiser chegar ao coração de Deus, siga o caminho da misericórdia e se deixe tratar com misericórdia. Não se esqueça de onde Ele foi chamar você”

A liturgia nos fala hoje do chamado de Mateus, o publicano, escolhido por Deus e instituído apóstolo segundo o seu desenho de misericórdia.

O Papa Francisco destaca três expressões na missa matutina na Casa Santa Marta: desenho de misericórdia, escolher, instituir.

veja também:
10 músicas que foram inspiradas na Bíblia e você não sabia
Padre Pio: brasileira que recebeu carta do santo conta experiência

Mateus era um corrupto “porque traía a pátria por dinheiro”. Um traidor do seu povo: o pior. Alguém pode dizer que Jesus “não tem bom gosto para escolher as pessoas”, observou o Papa – e parece que realmente não tem, porque, além de Mateus, Ele escolheu muitos outros “do lugar mais desprezado”. Foi assim com a samaritana e com muitos outros pecadores, a quem ele transformou em apóstolos.

“E depois, na vida da Igreja, muitos cristãos, muitos santos que foram escolhidos do mais raso … escolhidos do mais raso. Esta consciência de que nós cristãos deveríamos ter – de onde fui escolhido, de onde fui escolhida para ser cristão – deve durar toda a vida, permanecer ali e ter a memória dos nossos pecados, a memória que o Senhor teve misericórdia dos meus pecados e me escolheu para ser cristão, para ser apóstolo”.

Mateus não esqueceu as suas origens
Depois, o Papa descreve a reação de Mateus ao chamado do Senhor: ele não se vestiu de luxo, não começou a dizer aos outros: “eu sou o príncipe dos Apóstolos, aqui eu comando”. Diz o Papa: “Não! Ele trabalhou toda a vida pelo Evangelho”.

Quando o Apóstolo esquece as suas origens e começa a fazer carreira, se afasta do Senhor e se torna um funcionário; que trabalha muito bem, mas não é Apóstolo. Será incapaz de transmitir Jesus; será um organizador de planos pastorais, de tantas coisas; mas, no final, um negociante. Um negociante do Reino de Deus, porque esquece de onde foi escolhido.

Por isso, prosseguiu Francisco, é importante a memória das nossas origens: “Esta memória deve acompanhar a vida do Apóstolo e de todo cristão”.

Falta-nos generosidade
Em vez de olhar para os nossos próprios pecados, porém, somos levados a olhar para os dos outros e a falar mal deles. Um costume que envenena. É melhor, sugeriu o Papa, recordar de onde o Senhor nos escolheu e nos trouxe.

Nosso Senhor, acrescentou o pontífice, quando escolhe, escolhe para algo maior.

“Ser cristão é grande, é belo. Somos nós que nos afastamos e ficamos na metade do caminho. Falta-nos generosidade e ficamos negociando com nosso Senhor, mas Ele nos espera. Diante do chamado, Mateus renuncia ao seu amor, o dinheiro, para seguir Jesus. E convidou os amigos do seu grupo para almoçarem com ele e festejarem o Mestre. Assim, àquela mesa se sentava o que havia de pior naquele tempo. E Jesus estava com eles”.

O escândalo dos doutores da Lei
Os doutores da Lei se escandalizaram. Chamaram os discípulos e disseram: “Como é que o seu Mestre faz isso, com essas pessoas? Ele se torna impuro!”: de fato, comer com um impuro era contaminar-se com a impureza. E Jesus parte dessa palavra para afirmar: “Vão aprender o que significa ‘Quero misericórdia e não sacrifício’”.

A misericórdia de Deus procura todo mundo, perdoa a todos. Ela pede somente que digamos: “Sim, me ajuda”. Só isso.

Para quem se escandaliza, Jesus responde que não são os que têm saúde que precisam de médico, mas os doentes. “Quero misericórdia e não sacrifício”.

O Papa conclui:

“Entender a misericórdia do Senhor é um mistério; mas o maior mistério, o mais belo, é o coração de Deus. Se você quiser realmente chegar ao coração de Deus, siga o caminho da misericórdia e se deixe tratar com misericórdia”.

Fonte: Aleteia
Compartilhe:

Faça um comentário