Papa Francisco recebeu o presidente da Microsoft, Brad Smith
Foto: Vatican Media

O Papa Francisco recebeu o presidente da Microsoft, Brad Smith, de forma privada, no dia 13 de fevereiro, na Casa Santa Marta.

De acordo com o Diretor interino da Sala de Imprensa da Santa Sé, Alessandro Gisotti, o presidente da Microsoft esteve acompanhado pelo presidente da Pontifícia Academia para a Vida, Dom Vincenzo Paglia.

Em um comunicado, Gisotti afirmou que “Smith falou sobre a Inteligência Artificial a serviço do bem comum e sobre algumas atividades para colmatar o fosso digital que ainda persiste a nível global”.

Durante a reunião os presentes informaram ao Santo Padre que “a Microsoft, junto com a Pontifícia Academia para a Vida, irá promover um prêmio internacional sobre a ética na Inteligência Artificial, tema da Assembleia da Academia em 2020”.

Veja também:
ExpoCatólica: Mosaico Arquitetura e Urbanismo estará presente na 14° edição da feira
Papa: não basta mudar os livros litúrgicos para melhorar a qualidade da liturgia

A próxima Assembleia Plenária da Pontifícia Academia para a Vida será realizada de 25 a 27 de fevereiro de 2019, no Vaticano, com o tema “Robótica. Pessoas, máquinas e saúde”. A plenária de 2020, por sua vez, terá como tema a Inteligência Artificial.

Em entrevista a L’Osservatore Romano, Smith disse que a tecnologia está evoluindo tão rapidamente que aqueles que criam a inteligência artificial não sabem necessariamente “a melhor forma de abordar o papel que devem desempenhar na sociedade.”

“É por isso que as pessoas no governo, acadêmicos, empresários, atores da sociedade civil e outras partes interessadas devem se unir para ajudar a moldar esse futuro. E cada vez mais precisamos fazê-lo, não apenas como uma única comunidade ou país, mas a nível mundial. Cada um de nós tem a responsabilidade de participar e também um papel importante a desempenhar “, disse Smith.

Neste sentido, Brad Smith sugeriu que se realize uma plataforma sólida, mas primeiro é necessário assegurar que “esta tecnologia e as organizações que a desenvolvem e a utilizam sejam regidas pelo Estado de direito”.

“Os empresários, legisladores, pesquisadores, acadêmicos e representantes de organizações não governamentais devem trabalhar juntos para garantir que as tecnologias baseadas em inteligência artificial sejam projetadas e desenvolvidas de tal maneira que ganhe a confiança das pessoas que as utilizam e das pessoas cujos dados são coletados”, afirmou.

Fonte: ACI Digital
Compartilhe:

Faça um comentário