Posso comungar e confessar-me depois?

Se, infelizmente, tiver algum pecado mortal, não pode. A Igreja ensina-o claramente, e até em tempos antigos excomungava o padre que dissesse que proceder assim estava certo.

O Catecismo da Igreja Católica – num texto já citado – recorda-o claramente: “Aquele que tem consciência de ter cometido um pecado mortal não deve receber a Sagrada Comunhão, mesmo que esteja profundamente contrito, sem receber previamente a absolvição sacramental, a menos que tenha um motivo grave para comungar e lhe seja impossível chegar ao confessor” (n. 1457).

Basta a “confissão comunitária”?

Neste tema, em que já houve e ainda há muita confusão, nada melhor do que ater-se fielmente à doutrina da Igreja Católica.

Veja também:
Frei Damião: O capuchinho que evangelizou o nordeste brasileiro e é agora Venerável
Diáconos Permanentes elegem nova presidência em sua XI Assembleia Geral em Goiânia (GO)

Há dois casos diferentes

Uma coisa é a “celebração comunitária da penitência”, prevista no Ritual dos Sacramentos (cf. Catecismo, n 1482), que se processa assim: dentro de uma igreja ou capela, os fiéis reunidos escutam a leitura e o comentário de textos bíblicos sobre a penitência, e meditam sobre eles. Preparam-se espiritualmente para se confessarem, com a pregação, oração, cânticos, etc. E pode ser lido um guia para facilitar que cada um faça interiormente o seu exame de consciência. Terminada essa preparação, cada um dos fiéis vai confessar-se individualmente com algum dos sacerdotes presentes (sempre há vários) e recebe também individualmente a absolvição e a penitência. Terminadas todas as confissões individuais, de novo podem rezar em conjunto algumas orações e dar graças pelo perdão recebido.

Completamente diferente é a “absolvição geral sem confissão individual”. Só é lícita em caso de “necessidade grave”. O Catecismo cita, como exemplo, o <> (por ex., um avião em perigo, um naufrágio, um terremoto, um incêndio), ou situações extremas, como pode ser – caso isso aconteça – a de uma comunidade de fiéis que moram isolados na floresta amazônica, e só recebem a visita rápida de um padre uma vez por ano, sem terem tempo de se confessar individualmente com ele.

Mas, fora desses casos de emergência, o Catecismo afirma que só o fato de se reunir <> (n. 1483).

Essa absolvição coletiva em caso de emergência, contudo, só será válida se a pessoa que a recebe está arrependida e, além disso, tem a decisão firme de completar a confissão – acusando-se de todos os pecados graves que não lhe foi possível confessar – na primeira oportunidade em que puder recorrer individualmente a confessor (cf. Catecismo, n. 1483).

Fonte: Cléofas

Faça um comentário