Posso comungar de joelhos? E receber comunhão na mão?
Posso comungar de joelhos? E receber comunhão na mão? (Foto:Divulgação)

Uma dúvida de muitos fiéis católicos

“Ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos abismos” (Filipenses 2, 10). Os fiéis têm direito de comungar de joelhos e na boca? A resposta é positiva. Quem quiser comungar na boca e/ou de joelhos, pode fazê-lo.

“Os fiéis comungam de joelhos ou em pé, segundo estabeleça a conferência dos bispos, com a confirmação da Sé Apostólica”, diz a instrução “Redemptoris Sacramentum”, sobre algumas coisas que devem ser observadas ou evitadas acerca da Santíssima Eucaristia, no número 90.

Veja também:
Por que os artistas retratam com tanta crueza a Paixão de Cristo?
8 coisas que todo católico deve fazer

E acrescenta: “Assim, não é lícito negar a Sagrada Comunhão a um fiel, por exemplo, só pelo fato de ele querer receber a Eucaristia ajoelhado ou de pé” (RS, 91).

A Instrução Geral do Missal Romano indica, no número 160, que, “quando comungam de pé, recomenda-se fazer, antes de receber o sacramento, a devida reverência”.

É um gesto simples, mas muito significativo, pois expressa devidamente que a pessoa é consciente de estar diante do Senhor, presente no pão eucarístico.

No que diz respeito a comungar na mão ou na boca, “todo fiel tem sempre direito de escolher se deseja receber a sagrada comunhão na boca” (RS, 92) ou na mão.

O que não está permitido é tomar a Hóstia diretamente da âmbula. E tampouco recebê-la na mão quando se comunga sob as duas espécies. Os dedos não podem ser usados como pinças para pegar a hóstia da mão de quem a distribui.

Quem optar por comungar na mão, saiba que há uma forma correta: colocar a mão esquerda, com a palma virada para cima, com os dedos estendidos e unidos, sobre a mão direita, também com a palma virada para cima e com os dedos estendidos e unidos, formando um trono digno.

Uma vez que a Hóstia consagrada foi colocada na palma esquerda, a pessoa a pega com o polegar e o indicador direito, e a leva à boca, dirigindo a mão esquerda na direção do queixo, como uma patena, para evitar que as partículas possam cair no chão.

Depois, é preciso revisar as mãos e dedos, para consumir as possíveis partículas que tenham caído. Não se deve levar diretamente à boca a Hóstia que está sobre a palma da mão esquerda.

Comungar na mão não é estender uma mão como quem pede ou recebe qualquer coisa, ou como quem recebe a porção de algum alimento que lhe é oferecido no supermercado para degustação.

Então, é importante recordar como posicionar as duas mãos para expressar que se é consciente de que não se recebe algo comum, mas extraordinário: o próprio Deus!

Em suma, é lógico, portanto, pensar que os ministros ordenados ou os ministros extraordinários da comunhão nunca devem impor aos fiéis nenhuma maneira de comungar.

Então, o mais plausível é comungar de joelhos e na boca, mas também é válido comungar em pé e na mão.

Porém, independentemente de como se comunga, é preciso fazê-lo em estado de graça, com o devido respeito e amor, com a consciência de Quem estamos recebendo, com a boa disposição de continuar crescendo na condição de discípulos do Senhor e com o compromisso de levá-lo aonde formos, como sacrários vivos.

Isso implica na necessária preparação, não só da alma, mas também do corpo – entre outras coisas, com o jejum eucarístico.

Como é bonito ver nos adultos essa candidez e alegria espiritual das crianças quando fazem sua primeira comunhão, mantendo essa abertura e simplicidade que as crianças têm ao querer se aproximar de Jesus para melhorar sua vida espiritual.

Nossa maneira de comungar mostra a importância que o Senhor tem para nós; é um apostolado. Mas recebemos Jesus com amor, respeito e adoração porque Ele merece, e não para ficar bem na frente dos outros.

O segredo é exteriorizar o amor: a melhor maneira de exteriorizar esse amor, sem a pretensão de ficar bem na frente dos outros, é comungar de joelhos (em atitude de adoração) e na boca; assim se sublinha, com sinais de admiração, a presença real do Senhor Jesus.

Por que não é tão recomendável comungar na mão?

As mãos são menos dignas; comungar na mão implica algum risco de profanação, como já se viu em muitos casos; existe o perigo de que haja partículas da Hóstia na mão ou nos dedos; não é o mais higiênico, ao ter as mãos sujas devido a que quem comunga veio da rua, talvez tenha mexido em dinheiro na hora da coleta, deu a mão no rito da paz a pessoas que podem ter gripe ou outro mal contagioso e, além disso, os fiéis não têm as mãos consagradas.

Recomenda-se, então, comungar de joelhos e na boca. Mais ainda: quem quiser comungar dessa maneira dará um bom exemplo nos lugares onde não é comum comungar dessa forma.

Se este direito lhe for negado, exija-o. De qualquer maneira, as demonstrações externas de amor a Jesus Eucaristia são tão belas como estar limpos interiormente.

Para terminar, um dado final. Cada um tire suas próprias conclusões: santa Margarida Maria Alacoque contou que Jesus lhe disse: “Entristeço-me com a frieza e menosprezo que têm para comigo neste sacramento de amor”.

A outros santos e santas, Jesus revelou que lhe entristecia ver as pessoas comungando como se estivessem pegando um pedaço qualquer de pão.

Fonte: Nossa Senhora Cuida de Mim

Faça um comentário