Presidente da CNBB viaja a Roma para evento sobre proteção de menores
Foto: Arquivo CNBB

Os presidentes das conferências episcopais do mundo foram convocados pelo Papa Francisco para o encontro no Vaticano

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Cardeal Sérgio da Rocha, viaja nesta terça-feira, 19, para Roma. O arcebispo metropolitano de Brasília irá participar do Encontro “A proteção dos menores na Igreja”, que acontece no Vaticano de 21 a 24 de fevereiro.

O encontro foi convocado pelo Papa Francisco e reunirá os presidentes das conferências episcopais da Igreja Católica de todo o mundo.

De acordo com o diretor interino da Sala de Imprensa da Santa Sé, Alessandro Gisotti, a reunião prevê sessões plenárias, grupos de trabalho, momentos comuns de oração com a escuta de testemunhos, uma liturgia penitencial e uma celebração eucarística final. O Papa Francisco assegurou sua presença durante todo o encontro, que será realizado na Sala nova do Sínodo.

Veja também:
Papa pede orações pelo encontro de bispos sobre proteção de menores na Igreja
Papa nomeia comitê organizador para reunião em fevereiro sobre abusos na Igreja

Recentemente, os participantes do encontro foram exortados a encontrarem-se com as vítimas de abusos em seus próprios países antes de irem para o encontro no Vaticano. Em carta, a Comissão Organizadora do evento afirmou que estes encontros pessoais seriam uma forma concreta para garantir que as vítimas tenham o primeiro lugar nas mentes de todos durante a reunião.

Compromisso da Igreja

Em vários momentos de seu Pontificado, o Papa Francisco reafirmou o compromisso da Igreja de garantir a proteção de menores e de adultos em situações de vulnerabilidade.

No mês de agosto, o Pontífice divulgou uma carta ao povo de Deus, para falar sobre a “atrocidade” dos casos de abusos cometidos por membros do clero e religiosos e reiterou “tolerância zero” para aqueles que cometem ou acobertem esses crimes.

Na ocasião, ele afirmou que a comunidade eclesial assumia com “vergonha e arrependimento”, que não soube estar onde deveria e não agiu a tempo de reconhecer a dimensão e a gravidade do dano que estava sendo causado em tantas vidas.

“Nós negligenciamos e abandonamos os pequenos (…) Olhando para o passado, nunca será suficiente o que se faça para pedir perdão e procurar reparar o dano causado. Olhando para o futuro, nunca será pouco tudo o que for feito para gerar uma cultura capaz de evitar que essas situações não só não aconteçam, mas que não encontrem espaços para serem ocultadas e perpetuadas”, enfatiza.

Fonte: Canção Nova

Faça um comentário