Quem é o Anticristo no ensinamento da Igreja Católica?

A Igreja ensina que, antes da segunda vinda de Jesus, o Anticristo virá para desviar as almas

À medida que a Igreja reflete sobre a segunda vinda de Jesus Cristo durante as últimas semanas do Tempo Comum e nas primeiras semanas do Advento, o tema do “Anticristo” inevitavelmente virá à tona.

Trata-se de um ensinamento da Igreja Católica que é altamente misterioso, e as referências bíblicas não lançam muita luz sobre a situação.

No entanto, a Igreja tem um ensinamento oficial sobre o Anticristo, explicado em detalhes no Catecismo da Igreja Católica.

 

 

Um engano final

Antes da vinda de Cristo, a Igreja deverá passar por uma prova final, que abalará a fé de numerosos crentes. A perseguição, que acompanha a sua peregrinação na Terra, porá a descoberto o «mistério da iniquidade», sob a forma duma impostura religiosa, que trará aos homens uma solução aparente para os seus problemas, à custa da apostasia da verdade. A suprema impostura religiosa é a do Anticristo, isto é, dum pseudo-messianismo em que o homem se glorifica a si mesmo, substituindo-se a Deus e ao Messias Encarnado.

CIC 675

Como em todos os aspectos da segunda vinda de Jesus, todas as épocas pensaram que estavam vivendo os “últimos dias”.

São Tomás de Aquino aponta em sua Summa Theologiae que os primeiros cristãos achavam que estavam vivendo o “fim dos tempos” e que o Anticristo estava próximo, ou mesmo que já estava entre eles.

É impossível fixar a quantidade de tais calamidades que precederá imediatamente o dia do julgamento ou a vinda do Anticristo, já que mesmo no tempo da Igreja Primitiva, as perseguições eram tão amargas, e as corrupções do erro eram tão numerosas, que alguns consideravam a vinda do Anticristo como sendo próxima ou iminente.

Leia mais:
Por que Jesus tem o coração para fora do peito?

Falsificação do Reino futuro

É por isso que a Igreja até menciona que o engano do Anticristo está ativo desde a primeira vinda de Cristo.

Esta impostura anticrística já se esboça no mundo, sempre que se pretende realizar na história a esperança messiânica, que não pode consumar-se senão para além dela, através do juízo escatológico. A Igreja rejeitou esta falsificação do Reino futuro, mesmo na sua forma mitigada, sob o nome de milenarismo, e principalmente sob a forma política dum messianismo secularizado, «intrinsecamente perverso».

CIC 676

Tal como os últimos dias deste mundo, não temos como saber ao certo se o Anticristo está ou não presente no mundo. De muitas maneiras, ele já veio e está no mundo há séculos.

Ao longo desta prova final da fé, a chave é permanecer intimamente unido a Jesus Cristo, não vacilando em nossa crença, mas confiando que Ele nos levará ao nosso lar final. Podemos nunca saber quem será o Anticristo, mas conhecemos Jesus Cristo e podemos segui-lo.

Com informações de Aleteia
Compartilhe:

Faça um comentário