A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) tinha, na década de 90, um lar ilegal de crianças, em Lisboa, de onde desapareceram vários menores roubados às suas mães.

As crianças eram entregues diretamente no lar, à margem dos tribunais, por famílias em dificuldades e acabavam no estrangeiro, adotadas, de forma irregular, por Bispos e Pastores da igreja.

Veja também:
Novela da Record que ataca a Igreja Católica amarga baixa audiência
Novela da Record: Papa como anti-cristo e Igreja Católica como Babilônia

Após sete meses de investigação, uma equipa da TVI constituída pelas jornalistas
Alexandra Borges e Judite França, descobriu as mães a quem roubaram os filhos que falam pela primeira vez.

Estas mães literalmente foram roubadas no que diz respeito aos seus filhos, de quem não sabiam há mais de 20 anos. Esta investigação só foi possível ser conhecida 20 anos depois. Agora, algumas pessoas saíram da Igreja, começaram a ver com distanciamento e guardaram, inclusivamente, documentação original daquela altura. É uma história muito grave. (…) Temos histórias complicadíssimas”, explicou Alexandra Borges, no Jornal das 8 da TVI.

Em casos de adoção que são casos sigilosos, chegar às mães é muito difícil. Nós estávamos a fazer um caminho de investigação totalmente diferente e, de repente, tropeçamos numa deixa. Fomos desfiar esse fio e o fio nunca mais acabava, até que conseguimos chegar a essas mães e a algumas dessas crianças. (…) Há 20 anos, a máquina estava muito bem oleada”, acrescentou a jornalista Judite França.

Esta é a primeira série informativa da televisão portuguesa.

“O SEGREDO DOS DEUSES” será revelado em 10 episódios, em exclusivo na TVI, logo seguir ao Jornal das 8, todos os dias úteis, a partir do dia 11 de Dezembro.

A grande reportagem é da autoria das jornalistas Alexandra Borges e Judite França, com imagem de Ricardo Ferreira, Nuno Ascenção Romeu Carvalho, João Pedro Matoso,Alexandre Vieira (drone), edição de Miguel Freitas e grafismo de Paulo Trindade, Sofia de Botton e João Nunes.

Fonte: Front Católico

Faça um comentário