Uma celebração sem o sacerdote vale como missa?
A celebração sem o sacerdote | Foto: Ilustrativa

O que fazer em uma celebração sem o sacerdote?

Nesta semana, pe. Cido Pereira, na coluna que mantém no jornal O São Paulo, da arquidiocese paulistana, o pe. Cido Pereira respondeu à seguinte pergunta de uma leitora:

“Dizem que o bom católico precisa participar da missa todos os domingos. A liturgia da Palavra, celebrada por alguém que não é sacerdote, vale como missa?”

Veja também:
Ouça a música oficial da cerimônia de canonização da Irmã Dulce

A resposta do sacerdote:

Quem pergunta é a Maria das Dores, de Socorro (SP). Onde não há sacerdote, muitas vezes, Maria das Dores, o ministro da Palavra preside uma celebração. Essa celebração, porém, não é missa e nunca será. Portanto, não pode ter o valor da missa.

É comum nos lugares em que o sacerdote vai poucas vezes que o povo acabe pensando que a celebração da Palavra é missa. Eu mesmo já ouvi tantas vezes as pessoas dizendo que aquela freira, aquele diácono, aquele seminarista ou aquele ministro da Palavra celebram uma missa muito bonita. Não! Repito: não é missa nem tem o valor de missa.

Nossos padres, em alguns lugares, desdobram-se para visitar as comunidades e celebrar a Eucaristia. Mas nem sempre é possível. Aí entra, então, o trabalho do ministro.

Penso também, Maria das Dores, que a Eucaristia é um direito do povo de Deus. E padre algum pode se negar a celebrar a missa para o povo de Deus. Estando ele na paróquia, na comunidade, estando ele com saúde, não pode deixar o povo sem missa, colocando o ministro no seu lugar.

Veja também:
Padre Léo ganha estátua de 22 metros no interior de São Paulo

Trabalho Vocacional

Isso faz a gente pensar o quanto é importante o trabalho vocacional. A Igreja precisa, urgentemente, de padres, de muitos padres. Por isso, orar pelas vocações, promover encontros vocacionais com os jovens, apoiar os seminaristas no seu tempo de formação, adotar seminaristas como padrinhos de oração, tudo isso favorece o aumento das vocações. Famílias cristãs, movimentos, associações e pastorais devem empenhar-se em ajudar os jovens a refletir sobre sua vocação, a discernir se Deus o chama para o sacerdócio.

Quando vejo ministros fazendo a celebração da Palavra em comunidades, eu dou graças a Deus por eles, mas, ao mesmo tempo, eu me lembro de Jesus dizendo: “A messe é grande, mas os operários são poucos. Peçam ao Senhor da messe que mande operários para a sua messe”.

Espero ter sido bem claro na resposta. Nenhuma celebração de ministros tem o valor da missa. Mas o que fazer onde não há padres?

Melhor ter alguém que reflita com o povo a Palavra de Deus do que não ter nada que ajude o povo a crescer na fé. Um abraço, minha irmã.

Com informações de O São Paulo

Faça um comentário