Uma grávida morre em um acidente. Onde está Deus em uma experiência cruel como esta?
Foto: Shutterstock

Ser honesto com uma pessoa desesperada ou sem esperança pode ser uma falta de tato ou certa amostra de crueldade.

“A verdade os fará livres”, diz o Evangelho. Mas Sófocles também argumentou: “É terrível saber a verdade quando ela não serve à pessoa informada”.

Há pessoas extremamente justas em sua integridade; tão honestas que se tornam desonestas. A honestidade não depende do sentido. Quem poderia imaginar que se alguém é muito focado na integridade é capaz de causar dano a si mesmo?

Veja também:
Meus filhos acham que não precisam ir à igreja porque o pai deles não vai. O que eu faço?
Anunciadas próximas visitas do Papa Francisco

Sim, uma honestidade exagerada pode amargar a vida de alguém e até destruir relações. No entanto, uma pessoa íntegra quer ser honesta, ou seja, conhecer o outro de verdade.

A existência do sentido exclui o sem sentido? E o sem sentido pode ter sentido?

Existe uma ingênua tendência na psicologia americana que busca sentido em tudo. Uma mulher jovem morre e dizemos ao filho dela: “não fique triste, mamãe está no céu, ela está bem ali”. É uma boa frase, mas não o bastante para um consolo verdadeiro.

Com muita facilidade e rapidez, tratamos de dar sentido a todas as experiências. E não é em tudo que se pode encontrá-lo. Há acontecimentos e decisões humanas que não fazem sentido, e não é certo tentar buscá-lo.

Eu fiquei tocada com o caso de uma mulher jovem que morreu quando estava no último mês de gravidez. Foi terrivelmente absurdo: ela morreu em um acidente automobilístico causado por dois jovens, devido à irresponsabilidade e descuido deles. Eles também presenciaram a morte da mulher e ficaram atordoados.

O que não tem sentido cria mais ideias sem sentido. A maneira imprudente de dirigir dos jovens causou uma tragédia. A pessoa que vive ou age de forma que não tem sentido pode provocar um incidente sem sentido.

Onde está Deus quando alguém passa por uma experiência sem sentido?

Ele está por perto de quem sofre esta experiência. Deus se apresenta em forma de um sentido. O acontecimento em si não tem sentido, mas o significado acompanha o homem, pois Deus nunca abandona um ser humano. Nem a mulher que morre no meio do caminho.

Ele viajou com Edith Stein a Auschwitz. Deus esteve na câmara de gás com ela. Matar uma mulher só porque ela era judia foi o cúmulo do sem sentido. No entanto, desta morte sem sentido surgiu um sentido. Este é o grande mistério.

Na cruz, Jesus experimentou a maior insensatez que se poderia imaginar. Mas Ele mesmo demonstrou que o sentido é maior que o sem sentido. O sentido derivou daquilo que não tem sentido. No entanto, creio que é preciso ser cuidadoso ao tentar encontrar o sentido no que não tem sentido.

Deve-se buscar sentido no pecado?

O pecado é uma negação do sentido. E vai além: choca-se contra o sentido, trata de destruí-lo.

Cristo é como nós em tudo (menos no pecado). Ele não está em nosso pecado, mas está perto dos que pecaram. Está no sofrimento que conduz à falta de sentido. Está em nossa dor. Está em seu núcleo. Talvez, o próprio Cristo seja nossa dor.

Cristo não anula a inutilidade do pecado e não menospreza seu lado maligno. Mas também não dá as costas ao pecador, não lhe tira o sentido.

Pelo contrário, Ele dá a esperança de que a vida, apesar do mal que foi cometido, pode ter sentido, pode voltar a ficar imersa no sentido.

Fonte: Aleteia

Faça um comentário