Uma oficina de costura em Paris que resgata mulheres da prostituição
Foto: Ilustrativa | Pixabay (domínio público)

A Oficina Bakhita em Paris dá a muitas mulheres uma chance de mudar suas vidas

Rostos de mulheres concentrando-se intensamente em seu trabalho. É isso que impressiona o visitante que entra na sala principal de Dorothy, um café comunitário localizado no distrito parisiense de Ménilmontant.

É aqui que Tina, Anita, Grace, Coralie, Laetitia e outras se encontram toda quarta-feira – várias mulheres antes envolvidas na prostituição e que agora participam da oficina de costura Bakhita. Manequins, máquinas de costura, tesouras, linhas de costura, pedaços de renda, tesouras espalhadas por toda parte.

Este workshop foi criado há dois anos pela associação “Aux captifs, liberation”, que trabalha com pessoas desalojadas, bem como com aquelas que ganham a vida através da prostituição.

Veja também:
Como devemos receber a comunhão?
Após atentado, escola é reaberta para planejar acolhimento de alunos

Inicialmente, a organização envia equipes para encontrar as mulheres nas ruas e estabelecer diálogo com elas. Na segunda etapa do processo, as mulheres são convidadas a participar de algumas atividades da associação. “Isso se chama dinamização”, explica Marie-Antoinette Peltier, uma costureira profissional que dirige a oficina. “Isso pode ser feito através de canto, terapia de arte ou uma oficina de cabeleireiro…”.

Para este artigo, visitamos a oficina de costura. Toda quarta-feira, das 10h às 17h, as mulheres aprendem a desenhar padrões, selecionar tecidos, usar a máquina de costura, fazer uma bainha.

Algumas são francesas, mas a maioria é imigrante e se sente mais confortável falando inglês. Na oficina, as trabalhadoras tentam falar em francês o máximo possível para que as mulheres se familiarizem com a língua.

Entre essas mulheres estão muitas nigerianas, mas também do Congo, China e Peru. Muitas são vítimas do tráfico de seres humanos, uma forma moderna de escravidão. Não é por acaso que a oficina leva o nome de Santa Josefina Bakhita, uma jovem escrava sudanesa que conseguiu, deixar sua vida de exploração e assumir o controle de sua vida.

Durante todo o dia, sussurros se alternam com momentos de silêncio e de riso. Enquanto algumas estão ocupadas costurando, outras se concentram no bordado. Peltier passa entre elas para ajudá-las e dar-lhes conselhos.

Ser exigente é essencial

Angela tem 30 anos. Seu lindo cabelo preto desce até os ombros. Nigeriana, ela desembarcou na França há mais de um ano e participa da oficina desde 2018. “Eu faço jaquetas, bolsas, saias…”. Ela já praticou costura na África, mas aqui ela está aprendendo novas técnicas e trabalhando com outros materiais.
Tina, 23 anos, é mãe de Samuel, um menino de 2 anos de idade. Para ela, a oficina de Bakhita é parte essencial da semana. Com um sorriso doce e ligeiramente tímido, ela explica que mora na França desde 2016. Na oficina, ela pode respirar e, acima de tudo, melhorar suas habilidades de costura. Ela faz isso por si mesma; é um investimento de tempo.

“São mulheres que saíram da prostituição, que querem sair ou estão em processo de sair”, diz Peltier. “Eu as vejo como mulheres que querem aprender costura. Eu não tento convencê-las a me confidenciar ou me contar sobre suas vidas. Elas têm assistentes sociais e psicólogos para isso. Aqui, os objetivos são claros e me permite ser exigente com elas. Peço-lhes para chegar no horário, serem confiáveis ​​e focadas. Se elas chegam 20 minutos atrasadas ​​sem uma desculpa séria, eu as afasto naquele dia”. Ela acrescenta: “Quando você trabalha por conta própria, seu trabalho é bom, ou não é: se for mal feito, não será sustentável”. É por isso que ela desafia as mulheres a fazer o melhor.

Entrar em contato consigo mesma

Peltier me conta como a oficina começou. “O começo foi difícil. Levou muito tempo para obter os padrões certos”. Pouco a pouco, as mulheres conseguiram progredir. Hoje, há 12 que vêm regularmente. “Elas precisam ser exigentes consigo mesmas para alcançar excelência. Quando isso acontece, elas ficam muito orgulhosas de si mesmas. Depois de oito ou nove meses de costura, elas não me perguntam mais se está bom, mas se está perfeito… com um pequeno sorriso de orgulho de saber que você conseguiu”, acrescenta Peltier. “Elas se ensinam a olhar criticamente para o seu próprio trabalho, e o crescimento das habilidades permite que elas cresçam em autoestima. Elas reconhecem suas próprias habilidades”.

Costura tem muitas virtudes. “O foco permite que elas relaxem, porque têm vidas violentas. Às vezes elas cantam, mas também precisam refletir e estar em contato com sua interioridade”, continua ela. Algumas são transformadas de uma maneira palpável, como Grace: “No primeiro dia, ela ficou mal-humorada e não falou com ninguém. Quando se tratava de costura, ela se mostrou muito perseverante. Ela tinha pouco talento natural e não era particularmente habilidosa, e estava bem ciente disso, mas não desanimou. Pouco a pouco ela conseguiu criar um lugar para si no grupo, e hoje consegue produzir algo que a faz feliz no final do dia”.

O grupo criou sua própria marca. A oficina também organizou vários desfiles de moda, incluindo um em Paris em junho passado. As mulheres puderam apresentar seu trabalho e desfilar. Tal atividade não é trivial para pessoas que estão ganhando dinheiro com seus corpos. Aqui, elas não são mais instrumentalizadas ou abusadas; elas são valorizadas, elogiadas e reconhecidas como portadoras de beleza.

Isso é o que Grace experimentou: “Durante o desfile, ela estava no centro das atenções, radiante. As pessoas não a reconheceram”, testemunha Peltier. Algumas coisas essenciais se desenrolam para além do ambiente de trabalho, permitindo que essas mulheres que tiveram um caminho difícil na vida superem as duras dificuldades da vida. “Eu vejo um grupo que está tomando forma, com amizades reais. Todas encontraram o seu lugar, até mesmo Blessing, uma transexual que chegou com sérios problemas físicos”.

Às 17h, a oficina está chegando ao fim. Depois de arrumadas, as mulheres saem conversando alegremente, contentes com o trabalho que fizeram, um passo mais perto de um futuro melhor.

Fonte: Aleteia

Faça um comentário